Blog do Sadovski

Parece sobre aliens, mas A Chegada é sobre um mundo que se recusa a ouvir

Roberto Sadovski

24/11/2016 02h42

hero_Arrival-TIFF-2016-2

Bryan Singer disse uma vez que a ficção científica era o gênero cinematográfico mais completo. “É o único que nos permite explorar, sob qualquer aspecto, a condição humana”, explicou. A Chegada materializa, de certa forma, as palavras de Singer. Em sua superfície é mais um filme sobre uma invasão alienígena – mesmo que, desta vez, os visitantes não cheguem reduzindo cidades inteiras a pó em um espetáculo digital. Nas mãos do canadense Denis Villeneuve, porém, o filme surge como um drama elegante sobre nossa dificuldade em nos comunicar, e como isso pode levar a humanidade à sua ruína. Esqueça, portanto, conceitos fáceis sobre bem e mal: A Chegada habita uma gigantesca Babel, em que não existe inimigos a não ser nós mesmos.

Quem nos conduz nesta jornada é a linguista Louise Banks (Amy Adams), convocada pelos militares para tentar estabelecer uma comunicação com visitantes de outro mundo. Seu trabalho é tentar entender o que querem os tripulantes de uma gigantesca estrutura que pousou em Montana, nos EUA – espelhando outros onze monolitos que também chegaram, espalhados pelo globo. Ao lado do físico Ian Donnelly (Jeremy Renner), ela começa a desenhar uma forma de comunicação com os aliens, chamados heptapods por se manter em sete tentáculos. Sua comunicação não é verbal, mas visual, e desvendar seu propósito antes que o representante de algum outro país decida escalar o conflito com o dedo no gatilho é essencial para conseguir respostas – e, talvez, impedir uma tragédia.

arrival-trailer-001

Os visitantes chegam à Terra

Seria fácil transformar A Chegada numa espécie de corrida contra o tempo, em que o intrépido casal de cientistas precisa bater o relógio para nos salvar da aniquilação. Mas este não é o interesse de Villeneuve. Adaptando o conto “Story of Your Life”, que deu ao escritor Ted Chiang meia dúzia de prêmios literários na virada do século, o diretor canadense expande sua essência, ao lado do roteirista Eric Heisserer, de uma trama intimista para uma narrativa global. Compreender a língua dos alienígenas é o cerne de uma questão que revela a maleabilidade do tempo e também a dificuldade dos próprios seres humanos em estabelecer laços. Elegante, Villeneuve foge do que poderia ser mais um panfleto militar ianque e o transforma numa trama sobre integração, uma ficção científica cerebral e pacifista.

Para guiar a narrativa ele aposta em Amy Adams e seu olhar quase etéreo. No papel da Dra. Banks, ela percebe que o entendimento surge por meio de estudo, pesquisa e paciência. Ou seja, decifrar a linguagem dos heptapods – uma combinação não linear de símbolos, decifrada com o uso de princípios matemáticos lentamente compartilhados com os aliens. Sua mensagem carrega um segredo que eleva o filme a um patamar ainda mais cerebral e emotivo, e é fascinante observar não só o cuidado com que Villeneuve conduz a trama, revelando aos poucos seu verdadeiro propósito, como o trabalho delicado de Amy Adams ao construir sua personagem, que não se deixa levar pela testosterona do ambiente militar e mostra que, dentre todos envolvidos com a missão, ela é a única capaz de conduzí-la até o fim.

arrival-movie-4-e1471529984165

Amy Adams aprende a ler com os heptapods

Fazer com que todo esse falatório científico, filosófico e não linear seja amarrado não só em um filme coerente, mas tenso e eletrizante, é o grande trunfo de Villeneuve. Desde que foi apresentado ao mundo com o drama Incêndios, indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro em 2011, o diretor de 49 anos vem se tornando um dos nomes mais interessantes a ser observado no cinemão. Ele encarou com a mesma desenvoltura um thriller contemporâneo (Os Suspeitos, de 2013) e uma adaptação de Saramago (O Homem Duplicado, lançado no mesmo ano), expandindo seu escopo com o drama sobre o combate ao tráfico de drogas na fronteira com o México, Sicario (2015). Embora abordem gêneros e tons completamente diferentes, em comum eles trazem um domínio claro narrativo e uma habilidade sem igual na condução de atores. No caso de Sicario e também de A Chegada, Villeneuve entrega a condução da narrativa a uma personagem feminina forte e complexa, que não se intimida em entrar num “mundo masculino”.

Esse compromisso com o cinema contemporâneo, além da habilidade técnica em conduzir o espetáculo, é fruto de referências bem claras que o diretor expressa sem pudor. A Chegada é herdeiro óbvio das ficções científicas alegóricas dos anos 50, quando a única maneira de expressar o temor do meio artístico contra a “caçada aos comunistas” que apavorou a Guerra Fria era usar o gênero como avatar do mundo real. Mas o filme também não esconde o DNA de aventuras sobre visitantes de outros mundos populares nos anos 80, quando a escassez de recursos técnicos criava filmes mais intimistas e menos explosivos – o que, para o bem e para o mal, se tornou a produção do gênero depois de Independence Day. A Chegada, portanto, traz o melhor de vários mundos, uma mistura bem amarrada de espetáculo e reflexão, de blockbuster moderno com um cinema que tem de fato o que dizer. A continuação de Blade Runner, que estreia em outubro de 2017, está sendo dirigida neste momento por Denis Villeneuve. Não poderia estar em melhores mãos.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo