Blog do Sadovski

John Hurt, astro de Alien: O Oitavo Passageiro e Harry Potter, morre aos 77 anos

Roberto Sadovski

john_hurt

O cinema ficou mais pobre hoje. John Hurt, ator de voz rouca e expressão grave, morreu hoje aos 77 anos, segundo a imprensa britânica. Ele havia anunciado sofrer de câncer no pâncreas em junho de 2015, mas ainda assim não interrompeu seu fluxo de trabalho, com três filmes já concluídos para 2017 – Darkest Hour, com Gary Oldman e Lily James, ainda está em produção. Indicado duas vezes ao Oscar (por O Expresso da Meia-Noite, em 1978, e por O Homem-Elefante, de 1980), Hurt protagonizou uma das cenas mais emblemáticas do cinema moderno em Alien: O Oitavo Passageiro, quando ele “dá à luz” uma criatura no filme que Ridley Scott dirigiu em 1979.

“Ridley nunca contou ao elenco como seria a cena”, lembrou o produtor executivo Ronald Shusset em uma entrevista de 2009. “Ele só avisou que eles veriam algo acontecer.” O “algo” em questão era Hurt, depois de acordar de um coma ao ser atacado por um parasita alienígena, ter a criatura explodir de seu peito durante o jantar, com sangue e vísceras saltando sobre todo o elenco. A cena foi criada com uma prótese de seu corpo presa à mesa, enquanto Hurt se posicionada abaixo dela. Sem perder o humor britânico, o ator repetiu a cena na paródia S.O.S. Tem um Louco Solto no Espaço, que Mel Brooks dirigiu em 1987.

john-hurt-as-kane-in-alien-1979

Alien: O Oitavo Passageiro

Nascido em 22 de janeiro de 1940, em Chesterfield, Derbyshire, na Inglaterra, o ator começou a estudar artes a pedido de seus pais, graduando-se para ser professor. Mas a perspectiva de passar a vida numa sala de aula não o agradou e Hurt logo se mudou para Londres para estudar na Royal Academy of Dramatic Art com uma bolsa de estudos. Por dois anos, ele dividiu a sala de aula com pontas em séries de TV. Em 1962 ele estreou nos palcos britânicos com a peça Infanticide in the House of Fred Ginger – mesmo ano em que fez seu primeiro longa, Um Grito de Revolta. Quatro anos depois, Hurt interpretou o barão Richard Rich no clássico O Homem Que Não Vendeu Sua Alma, de Fred Zinnemann, e abriu as portas para o cinemão ianque.

O astro logo foi para o topo da lista de produtores e diretores por ser versátil e confiável, trabalhando em TV, cinema e teatro com o mesmo ardor. A indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante por O Expresso da Meia-Noite, filme sufocante de Alan Parker sobre um homem (Brad Davis) encarcerado em uma prisão turca, coroou seu talento. Mas foi com O Homem-Elefante, lançado um ano depois que o alien explodiu de seu peito, que Hurt foi além. No papel de John Merrick, nascido com uma deformidade física severa e exibido como atração de circo no século 19, o ator conseguiu passar uma gama de emoções extensa, mesmo coberto por uma parede de maquiagem.

John-Hurt-as-John-Merrick-in-The-Elephant-Man-john-hurt-30962999-2560-1673

O Homem-Elefante

Mesmo com o extenso trabalho no cinema, John Hurt não abria mão dos palcos. “É como praticar esportes diferentes”, disse. “Você usa uma série de músculos completamente distintos.” Apesar dos louros e do constante aplauso de seus pares (ele ganhou um prêmio honorário pelo conjunto da obra em 2012 pelo BAFTA, a Academia Britânica de Artes para o Cinema e Televisão). Curiosamente, John Hurt se divertia com o fato de ter morrido em dezenas de seus filmes. “Eu acho que tenho algum tipo de recorde”, chegou a brincar. O ator chegou a compilar em seu canal no you tube um vídeo batizado As Muitas Mortes de John Hurt, cobrindo, em quatro minutos e meio, todas as vezes que ele perdeu a vida em cena, de Um Grito de Revolta ao excepcional O Espião Que Sabia Demais, de 2011. No total foram 40.

Apesar do prestígio, Hurt não diminuiu seu ritmo de trabalho e continuou a traçar uma carreira eclética, passando da comédia (A História do Mundo – Parte 1, de 1981) ao thriller político (O Casal Osterman, 1983), do drama distópico (1984, do mesmo ano) a animações de fantasia (O Caldeirão Mágico, de 1985). Curiosamente, sua maior bilheteria se deu já no novo século, quando foi o Sr. Ollivander, dono da loja de varinhas mágicas em Harry Potter e a Pedra Filosofal (2001), papel que repetiu mais duas vezes em As Relíquias da Morte Parte 1 (2010) e Parte 2 (2011).

harry-potter-ollivander-john-hurt

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Antenado com o cinema pop moderno, Hurt ainda engrossou o elenco das adaptações de quadrinhos Hellboy (2004), V de Vingança (2005) e O Expresso do Amanhã (2013), encarou uma aventura com Indiana Jones (O Segredo da Caveira de Cristal, 2008) e ainda viu o nascer de um novo Hércules, que Dwayne Johnson interpretou em 2014. Mas seu maior contato com fãs do universo pop se deu quando o ator interpretou o War Doctor por uma temporada da absurdamente popular série britânica Doctor Who, entre 2013 e 2014. “Participei de algumas convenções, tirando fotos e dando autógrafos a muitas pessoas vestidas como aliens ou como o próprio Doctor Who”, disse. “E aquilo me apavorava, pois não sabia se era um bando de malucos. Mas os fãs sempre foram encantadores. Não estou dizendo que é a coisa mais saudável…. mas eles são encantadores!”

 

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo