Blog do Sadovski

Do hype à repulsa: por que todos agora parecem odiar La La Land?

Roberto Sadovski

07/02/2017 06h05

la la land

Aconteceu com O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei. Depois de a saga comandada por Peter Jackson ser colocada (com mérito) num pedestal por dois anos, o filme que encerrou a trilogia encontrou, digamos, uma certa resistência. Ok, foi pior do que isso: muita gente, de fãs de cinema a gente do meio a colegas críticos, passou a dissecar o filme para apontar as fissuras em sua couraça. Era “longo demais” ou “melodramático demais” ou “quantos finais esse filme tem afinal?”. Acabou o amor com O Senhor dos Anéis? Ou foi um reflexo do excesso de afagos?

La La Land chegou à mesma encruzilhada. Desde sua estreia nos Estados Unidos no final do ano passado, coletando prêmio em cima de prêmio pelo caminho, e se firmando como um sucesso absoluto nas bilheterias, o musical de Damien Chazelle se tornou a) o filme a ser visto na temporada pré-Oscar e b) o assunto principal na roda de apaixonados por cinema. Quando a saga romântica de Ryan Gosling e Emma Stone finalmente aportou por aqui, amparado com um recorde de 14 indicaçoes ao Oscar (equiparando-se a A Malvada e Titanic), parece que um coletivo “vamos com calma” reverberou nas redes sociais aos papos dos apaixonados. Acabou o amor? Ou o problema é outro?

É uma tendência. Filmes como La La Land, que tocam o zeitgeist e parecem invulneráveis, sucumbem mais rapidamente ao hype. Primeiro, são levantados como obras de arte irretocáveis. A consequência é uma expectativa que jamais pode corresponder à realidade. Tanto amor, muitos constatam, é desproporcional ao que o filme entrega. Segundo, tanto oba oba leva uma obra ao microscópio, e detalhes que fazem parte de escolhas narrativas passam a ser interpretados como defeitos: muitos reclamam que Emma Stone e Ryan Gosling não são dançarinos exímios, que a jornada de um homem branco para salvar o jazz seria “apropriação cultural” (é, eu li essa), que a trama seria bobinha e desinteressante. O Saturday Night Live fez um sketch fantástico sobre o tema com o ator Aziz Ansari.

O principal, porém, é a percepção de que La La Land pode até ser um bom filme, mas não é tão bom assim. Ao menos não o bastante para merecer tanto carinho. Se ele ganha os Oscar para os quais foi indicado, por exemplo, bate o recorde de Ben-Hur, Titanic e (veja só) O Senhor dos Anéis – O Retorno do Rei, cada um com onze estatuetas na estante. Será que o filme de Chazelle tem estofo para derrubar um clássico incontestável, um fenômeno moderno e a conclusão da saga que ajudou a definir o novo século no cinema? Será que, em um ou cinco ou dez anos, lembraremos de La La Land com o mesmo afeto?

Existe, por fim, a boa e velha má vontade. Vale lembrar que vivemos numa bolha, formada por nosso convívio social imediato e as extensões causadas pelas redes sociais. Em meu caso, eu enxergo críticas ponderadas acerca de La La Land e, mesmo não concordando com a maioria, entendo que opiniões são isso: opiniões. Mas o ser humano tem uma tendência estranha a torcer o nariz quando algo se torna popular demais, aplaudido demais, hypado demais. Na gringa o nome para isso é backlash, uma repercussão negativa, uma maneira natural de ter um pé atrás quando a maioria já deu um salto para frente.

A melhor coisa, no fim das contas, é tirar a prova. Ignore o hype e assista a La La Land. Tire as certezas da frente (“musical é sempre ruim”, “se a crítica gosta, deve ser um lixo”), baixe a guarda e se deixe levar. Saia da bolha! Quem sabe você não tem uma surpresa bacana? Ou, vai saber, você vai odiar mesmo o musical e ter total certeza que críticos de cinema não sabem de nada. Eu escancaro de vez: o filme está no topo de meus favoritos de 2016, e eu arrisquei uma resenha aqui. Dia 26 de fevereiro, domingo de Carnaval, a gente vê qual é a de La La Land no Oscar.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo