Blog do Sadovski

A novela continua: The Batman será, afinal, dirigido (e produzido) por Matt Reeves. E agora?

Roberto Sadovski

Parece novela. Ruim. Dramalhão cheio de reviravoltas e emoções de plástico, sabe? Mas a Warner/DC finalmente fechou com o diretor Matt Reeves para conduzir The Batman, próximo filme solo do Cavaleiro das Trevas, que deve chegar aos cinemas em alguns anos. É mais um capítulo de uma história torta que mostra o quanto o Universo Estendido DC, com três filmes no currículo e mais dois agendados para este ano, sofre de uma total falta de organização.

Primeiro, o roteiro do filme parecia entrar num labirinto sem saída, com Ben Affleck, intérprete do Homem-Morcego, oscilando entre “o texto é ótimo” e “ainda não temos um script” em diversas entrevistas. Depois, Affleck abandonou a direção do filme, alegando que tinha de “se dedicar a compor o personagem”. Por fim, a caçada a um novo diretor esbarrou em vários nomes, passou por Matt Reeves, viu o responsável por Cloverfield encerrar o diálogo com o estúdio para, finalmente, voltar atrás e assinar na linha pontilhada.

Matt Reeves, pensando no tamanho da encrenca

Essa bagunça só consegue minar a confiança dos fãs na coerência que os filmes da DC pretende alcançar. Pior: mostra a dificuldade do estúdio em escolher um cineasta de talento e visão e entregar a ele seu maior produto corporativo. No fim, tudo se resume a dinheiro – o que é o oposto da lógica para a criação de um filme que deixe um legado. Grana, afinal, não é problema. Os três primeiros filmes do UEDC ficaram longe do negativo: O Homem de Aço (668 milhões de dólares), Batman vs Superman (873 milhões) e Esquadrão Suicida (745 milhões) fizeram bonito…. aos olhos de executivos do estúdio. Nenhum bateu no bilhão mágico, nenhum empolgou as plateias para a continuação deste universo – Mulher-Maravilha (estreia em 1 de junho) e Liga da Justiça (estreia em 16 de novembro) são os próximos da fila.

Mas não dá para ter o luxo de errar com o Batman. Sem nenhum exagero, o Cruzado de Capa é a pedra fundamental da DC no cinema, a balisa pela qual todos os outros filmes são guiados. Não precisa pensar muito. Batman, que Tim Burton fez em 1989, faturou fenomenais 411 milhões de dólares e iniciou uma nova era de heróis dos quadrinhos no cinema. Batman & Robin, com George Clooney enfrentando Arnold Schwarzenegger em 1997, embolsou pálidos 240 milhões e sepultou a confiança no “gênero” por anos. Quando Batman – O Cavaleiro das Trevas colocou 1 bilhão nos cofres do estúdio sob o olhar de Christopher Nolan em 2008, elevou os heróis de gibis a um patamar de seriedade até então inédito na indústria. A Marvel tem seu universo e vai muitíssimo bem, obrigado. Mas eles não tem o Batman, e isso sempre será uma desvantagem.

Ben Affleck como Batman ao lado do elenco de Liga da Justiça

O Batman é o centro nervoso do UEDC, e encontrou em Ben Affleck um ator com maturidade e mistério para soprar vida ao Homem-Morcego. Mesmo emoldurado por um filme bem ruim, ele fez com que Batman vs Superman fosse uma experiência menos dolorosa. Sua participação pequena em Esquadrão Suicida emprestou coerência e um senso de continuidade em um filme que não passa de colagem. Colocar o herói como motor de Liga da Justiça é uma decisão inteligente. E lhe dar uma aventura solo com The Batman é o caminho óbvio. Precisava mesmo trilhar um caminho tão espinhoso? Fechar na prorrogação do segundo tempo com Matt Reeves mostra que o estúdio pode até ter endurecido seu jogo e sua sanha por controle, mas teve de ceder algo para não atrasar ainda mais o início de todo o processo de criar o filme.

Aí vem a questão principal levantada pela decisão: a Warner também confirmou Reeves como produtor de The Batman. Em nenhum momento o visionário Zack Snyder, até então o principal arquiteto do UEDC, é apontado como parte da equipe – o roteiro foi escrito por Chris Terrio, expandindo uma história assinada por Ben Affleck e Geoff Johns. Snyder continua trabalhando em Liga da Justiça, em que ele assina a direção, mas seu envolvimento aparentemente termina aí. É fato que sua contribuição foi essencial para definir a estética dos filmes da DC, mas é também fato que ele deixou coisas básicas como narrativa e desenvolvimento de personagens em alguma gaveta, enfatizando o visual. O futuro deste universo, The Batman e Matt Reeves à frente, é agora uma incógnita. Seu próximo filme, Planeta dos Macacos – A Guerra, estreia em 13 de julho.

Cenas do próximo capítulo: será que Mel Gibson será o diretor do segundo Esquadrão Suicida?

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo