Blog do Sadovski

Alerta vermelho: Trailer final de Mulher-Maravilha não traz nenhuma novidade

Roberto Sadovski

12/03/2017 01h05

Não consigo entender, em mil anos, qual a estratégia da DC no cinema. O novo trailer de Mulher-Maravilha, supostamente a última prévia antes da estreia do filme em junho, não traz absolutamente nenhuma novidade que deixe a plateia intrigada com a aventura solo da princesa amazona. É, basicamente, uma versão esticada das mesmas imagens mostradas nos dois teasers anteriores. Talvez a estratégia seja justamente mostrar pouco e guardar as surpresas para o filme. Pode funcionar. Com breve histórico do Universo Expandido DC, porém, é uma aposta arriscada.

Antes de mais nada, o trailer. Como os outros filmes da DC, Mulher-Maravilha parece ter um visual mega caprichado, com tratamento de cor para dar ao filme uma aparência distinta, “moderna”. O pouco do plot revelado até agora mostra a princesa Diana (Gal Gadot), da ilha que abriga as amazonas, treinando na arte do combate desde criança e descobrindo, aos poucos, os “presentes” conferidos pelos deuses às guerreiras. As cenas de seu treinamento são basicamente a única novidade do novo trailer. A partir daí, é tudo igual. Estamos no auge da Primeira Guerra Mundial, e o coronel Steve Trevor (Chris Pine) tem seu avião derrubado na costa da ilha. Resgatado por Diana, ele fala sobre o conflito, impelindo a guerreira a abraçar sua herança e lutar pela justiça no “Mundo do Patriarcado”.

Gal Gadot entra em ação como a Mulher-Maravilha

A diretora Patty Jenkins, com tanta personalidade ao conduzir o drama Monster (que em 2003 deu o Oscar de melhor atriz a Charlize Theron), parece ter mergulhado no modo “super-herói genérico”, alternando cenas de ação eletrizantes com alguns momentos de leveza. O que, no fim das contas, é justamente o que os filmes da DC precisam. Ainda assim, não há nenhuma pista sobre o antagonista da aventura (Danny Huston e Elena Anaya parecem ocupar a vaga), e sua ligação com as amazonas permanece tênue – Ares, deus da guerra, é o elo mais óbvio, mas ele não foi colocado sob o holofote até agora. É muito provável que Mulher-Maravilha ganhe mais uma prévia antes de sua estreia, de preferência um trailer que aborde mais a trama e faça com que o público entenda que existe algo em jogo além de imagens bonitas.

Mulher-Maravilha é, afinal, o quarto filme do UEDC, seguindo O Homem de Aço (2013), Batman vs Superman e Esquadrão Suicida (ambos do ano passado). Nenhum deles incendiou as bilheterias, nenhum deles criou o tipo de entusiasmo que justifique o investimento do estúdio neste universo – a Warner parece muito mais confortável em seu “universo de monstros” criado com Godzilla (2014) e estendido com Kong: A Ilha da Caveira, que acabou de entrar em cartaz. Falta planejamento, falta uma visão que unifique o projeto – que não veio de Zack Snyder, ou de Geoff Johns, ou de Ben Affleck. A essa altura, eu duvido que Flash ou Cyborg saiam do papel. Só um milagre pode fazer com que Liga da Justiça seja a aventura eletrizante que a reunião da equipe promete.

Chris Pine é Steve Trevor, que leva a princesa Diana para o mundo dos homens

Gal Gadot, que é um dos pontos altos do trailer (e de Mulher-Maravilha), tem a sorte de estar cercada de um elenco primoroso, com Connie Nielsen e Robin Wright surgindo como guerreiras amazonas e Chris Pine mostrando o lado “humano” da história. Apesar de todos os problemas durante as filmagens (boa parte do roteiro foi reescrito durante as filmagens, mas o mesmo aconteceu em Homem de Ferro e deu tudo certo), Mulher-Maravilha ainda tem o potencial de dar uma certa nobreza ao UEDC, do mesmo modo que Capitão América: O Primeiro Vingador ancorou a Marvel no cinema com uma aventura à moda antiga em um conflito com bem e mal bem definidos. Este novo trailer, porém, não inspira muita confiança. Mas cinema é um jogo de apostas, e Gadot, Jenkins e cia. podem surpreender. Mas é bizarro que, entre tantos filmes com tantos heróis super poderosos, o que mais me desperta confiança na empreitada da DC no cinema seja… Aquaman!

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo