Blog do Sadovski

Apesar da canastrice de Emma Watson, versão live action de A Bela e a Fera brilha

Roberto Sadovski

Emma Watson stars as Belle and Dan Stevens as the Beast in Disney's BEAUTY AND THE BEAST, a live-action adaptation of the studio's animated classic directed by Bill Condon.

Refazer A Bela e a Fera, animação de 1991 que consolidou o renascimento moderno da Disney, era tarefa ingrata desde o começo. Colocar atores de verdade para abraçar a magia tão bem representada pelo desenho, missão quase impossível. É bacana, então, confirmar que o novo filme, com direção de Bill Condon, não só chega ao jogo em condições de igualdade com o original, como chega a superá-lo em certos momentos. É um conto de fadas bonito, extremamente bem produzido, que segue sua fonte com fidelidade – o desenho adaptava o conto de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve, publicado em 1740, com elementos da versão de cinema que Jean Cocteau fez em 1946. O novo filme expande a história quando necessário e não foge de suas raízes musicais. Ao contrário de Mogli, o Menino-Lobo, que deixou as canções levemente de escanteio, A Bela e a Fera não tem o menor problema em parar tudo e colocar elenco, digital ou não, para soltar a voz e caprichar nas coreografias. Funciona que é uma beleza. Vai faturar rios de dinheiro. Uma nova geração vai chorar junto com os veteranos. O melhor de tudo: Emma Watson, canastrona e deslocada, não consegue estragar a festa.

É melhor, então, tirar o elefante da sala. Emma Watson, eternizada como Hermione em oito Harry Potter, simplesmente não pertence a este mundo. Talvez seja o problema em trazer uma atriz sem a menor intenção em ser uma princesa Disney para interpretar… uma princesa Disney! Quando sua Bela, logo no começo do filme, precisa parecer a moça sonhadora, deslocada no vilarejo francês em que vive com seu pai, Watson só transmite um certo desdém, uma arrogância que a deixa antipática. Em sua urgência para fazer da personagem uma mulher “moderna” e “empoderada”, a atriz tenta trazer à história algo que não está lá. Pior: quando ela decide tomar o lugar do pai e se tornar prisioneira da Fera, a atitude vai de encontro com tudo que ela parece acreditar. O sacrifício inicial faz sentido, ela não escapar quando tem a chance, não. Ao menos Bill Condon, que honrou a camisa ao fazer os dois últimos Crepúsculo sem maiores danos, retoma as rédeas e não deixa que o conto de fadas se torne uma chatice politicamente correta. Os gritos de “síndrome de Estocolmo” da claque de sempre sequer arranham a condução da trama.

Gaston (Luke Evans) a handsome but arrogant brute, holds court in the village tavern in Disney's BEAUTY AND THE BEAST, directed by Bill Condon, a live-action adaptation of the studio's animated classic and a celebration of one of the most beloved stories ever told.

Gaston (Luke Evans), o brutamontes canalha que surge como o vilão perfeito

E a trama de fato engata quando Bela se vê presa no castelo da Fera (Dan Stevens), um jovem prepotente preso a uma maldição que o mantém num corpo bestial e transformou seus servos em peças da mobília. Contracenando com objetos inanimados – ou melhor, animados pela melhor tecnologia digital e com voz de um elenco tão talentoso quanto inacreditável –, ela diminui sua antipatia e aos poucos descobre a nobreza oculta pela aparência de seu captor. A produção é para aplaudir de pé. Cada elemento do castelo é rico em detalhes, e a construção intrincada do elenco em CGI mostra o cuidado de Condon e sua equipe em reproduzir a magia do desenho de 1991. O elenco parece que nunca se divertiu tanto, com destaque para Ewan McGregor, que empresa ao castiçal Lumiére uma energia maníaca que encontra equilíbrio na seriedade do relógio Cogsworth (Ian McKellen). A própria Fera é um passo além do design da criatura no filme de 26 anos atrás, recuperando seus elementos mais reconhecíveis e adicionando uma certa nobreza, amplificada pelo desespero da perda da humanidade, que o deixa fascinante. A frustração de seu retorno à forma humana, porém, é a mesma que senti no desenho, com Stevens e sua cabeleira loira fazendo o máximo para parecer um príncipe bacana e não um Menudo.

Se os filmes da Disney só são tão bons quanto seus vilões, Luke Evans devora o cenário como Gaston. Fanfarrão, o soldado veterano não mede esforços para ganhar o afeto de Bela. Na animação ele era um bruto que ganhava as discussões com a força dos bíceps. Já o filme lhe confere uma qualidade ainda mais canalha: aqui, Gaston não se furta em apelar para o assassinato se isso lhe garantir a mão de Bela. A pivetada com certeza vai ficar chocada. Como contraponto, seu parceiro de batalhas, Le Fou (Josh Gad), ganha mais tintas. Ele é alguém confuso entre ser o amigo ou ter o amigo, e que deixa seus sentimentos superarem o bom senso, disposto a virar o rosto para as atrocidades de Gaston e até a dar dinheiro para que as pessoas gostem dele. Por outro lado, é com Le Fou que surge o número musical mais fraco do filme, justamente quando ele canta as qualidade do companheiro canalha. Já o melhor momento musical é mesmo o baile solitário dos protagonistas, com aquela canção e um cinema, sem dúvida, banhado em lágrimas.

Lumiere lidera o elenco digital com a voz e a personalidade de Ewan McGregor

Transformar seus desenhos animados em filmes live action (deve haver um nome para isso…) é a jogada mais lucrativa da Disney em anos, e até agora o estúdio não deu ponto sem nó. Alice no País das Maravilhas bateu em 1 bilhão de dólares nas bilheterias em 2010, e Angelina Jolie ajudou a reimaginar A Bela Adormecida em 2014 com Malévola. A partir daí, as adaptações se tornaram ainda mais literais, com Cinderela (dirigido por Kenneth Branagh em 2015, com 544 milhões de dólares em caixa) e Mogli (de Jon Favreu, que faturou 967 milhões ano passado) pavimentando o caminho para A Bela e a Fera. É saudável, claro, questionar os motivos para refazer sua biblioteca de clássicos com o mínimo de alterações, só que com atores de verdade. Não que o desenho de 1991 tenha caído no esquecimento: seus fãs são fervorosos e leais, assim como os devotos de outros produtos do estúdio do Mickey. Mesmo com todo o cuidado depositado na produção, e no cuidado de Bill Condon em conferir personalidade a seu filme, ainda é um produto destinado a encher os cofres da Disney.

No fim, o veredito vai depender de seu apego ao filme original – seja com a crença de que nenhuma animação deveria ser “maculada”, seja com a mente aberta para que elas sejam reinterpretadas. A Bela e a Fera, portanto, já nasce como peça de nostalgia, parte de uma engrenagem que encanta há mais de duas décadas. O argumento de “refilmagem desnecessária”, acredite, cai por terra quando sobem os créditos. Se você é apaixonado pelo filme original, e não se importar com 45 minutos de história a mais, então este A Bela e a Fera também vai te conquistar. Deve chegar fácil em 1 bilhão nas bilheterias. Mulan, Dumbo, Aladin e O Rei Leão estão na fila. O mundo pertence à Disney. Nós só vivemos nele.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo