Blog do Sadovski

Meninos, eu vi! Os Últimos Jedi é o filme menos Star Wars de toda a saga

Roberto Sadovski

12/12/2017 15h00

Rian Johnson é bom em arrancar o chão sob nossos pés. Se o diretor desafiou expectativas em Looper, seu trabalho em Star Wars: Os Últimos Jedi vai além. No oitavo episódio da saga, Johnson deixa de lado a estrutura nostálgica que J.J. Abrams trouxe em O Despertar da Força e assume o papel de força do caos (sem trocadilhos). O que ele faz em Os Últimos Jedi é bagunçar o tabuleiro, trocar as peças de lugar e jogar pela janela nossa noção sobre heróis e vilões, certo e errado, luz e escuridão. O resultado é uma aventura de personagens complexos que, mesmo com o escopo da série, parece mais focada em alavancar os conflitos e entregar um filme que traz consequências drásticas para o futuro.

Drásticas e, agora, cobertas num véu de indefinição. Se O Despertar da Força é Guerra nas Estrelas, o passo lógico seria ter Os Últimos Jedi espelhando O Império Contra-Ataca. Mas Johnson nao é muito fã dessa lógica, colocando uma boa dose do fôlego conclusivo de O Retorno de Jedi na mistura. O novo filme, portanto, traz uma sensação de completude, ao mesmo tempo que escancara o caminho para um final em que, agora, tudo pode acontecer. É o filme menos “Star Wars” de toda a saga – e, ao ser construído dessa forma, termina abraçando todos os elementos que identificam a série. É a jornada do herói, menos bombástica mas não menos emocionante.

Star Wars: The Last Jedi..Luke Skywalker (Mark Hamill)..Photo: John Wilson..©2017 Lucasfilm Ltd. All Rights Reserved.

Mark Hamill como Luke Skywalker, o grande herói de Os Últimos Jedi

Claro que, para alcançar algum equilíbrio, é preciso destruir tudo antes. E é nesse estado em que se encontra a Resistência quando a aventura começa. A vitória contra a Primeira Ordem em O Despertar da Força foi tênue, e agora o novo império galáctico prepara-se para esfacelar o que sobrou dos novos rebeldes. A esperança é unir os povos descontentes pela galáxia, que perderam seu foco de luz desde que Luke Skywalker, lendário mestre Jedi responsável pela morte do imperador Palpatine décadas atrás, escolheu o exílio e retirou-se do cenário do conflito. Resta à sua irmã, a general Leia Organa, alimentar essa faísca e esperar pelo retorno de Luke. É essa a missão de Rey, que parte para a ilha onde o Jedi vive isolado, para convencê-lo a voltar. Claro que seu objetivo é mais profundo: depois que a Força despertou no conflito com o vilão Kylo Ren, ela busca entender seu papel neste novo mundo e precisa de um professor. Que, talvez, não seja o envelhecido e amargurado Jedi.

VEJA MAIS

Adoráveis ou deploráveis? Porgs provocam debate em novo “Star Wars”

Filha de Carrie Fisher emociona fãs com homenagens à mãe em estreia

Fã flagra cãozinho de Carrie Fisher no novo “Star Wars”; veja

Os Últimos Jedi faz um ótimo trabalho ao bagunçar a ordem “natural” das coisas e em estremecer a expectativa dos fãs. Ah, os fãs: se existe uma turma que pode achar farpas na estrutura do filme de Johnson são eles. O problema é que, até aqui, Star Wars seguiu uma certa lógica, um arco narrativo que, mesmo com as surpresas (“Não, Luke, eu sou seu pai!”), caminhava num crescendo até previsível. O novo filme bem que começa espelhando esse modelo. Temos uma batalha estelar, na qual vemos as habilidades de Poe Dameron (Oscar Isaac) como piloto sendo postas à prova. Temos uma fuga sem esperanças quando a frota da Resistência, Leia Organa (Carrie Fisher) à frente, termina numa corrida impossível de ser vencida ante o poderio da Primeira Ordem, com o próprio Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) dando as cartas. Temos Finn (John Boyega) e Rose (uma nova personagem interpretada por Kelly Marie Tran) em busca de um macguffin que pode significar a vitória dos heróis. Laura Dern e Benicio Del Toro dão as caras como adições valiosas ao cânone da saga – e eu certamente quero muito ver mais do personagem de Del Toro.

Chewbacca e um porg, porque precisamos de brinquedos novos….

Mas Os Últimos Jedi, no fim, é um estudo de personagem – concentrado em medo, poder, arrependimento, fúria e redenção, e representado por Rey (Daisy Ridley), Kylo (Adam Driver) e, principalmente, Luke (Mark Hamill). A natureza dos Jedi e seu papel neste novo mundo é reposicionada em um jogo de erros e acertos, de triunfos e fracassos, em que o ponto de vista de acontecimentos no passado são cruciais para determinar o futuro. O melhor jogador neste tabuleiro é Hamill. O otimismo juvenil de Luke Skywalker é uma lembrança já apagada, substituida por resignação causada por um erro impulsivo do passado, que pode ter colocado a perder a história e a linhagem da Ordem Jedi. Sua história, com Rey e com Kylo, é a força motriz da trama de Os Últimos Jedi; seu destino, uma pista do que pode acontecer no futuro. Falar mais é estragar as surpresas do filme. Mas tenha a certeza que Hamill é o verdadeiro mestre em um filme de superlativos, entregando uma performance intensa, equilibrando fragilidade e determinação em doses iguais. É um triunfo!

A cara da “velha” Hollywood: Ron Howard é a escolha perfeita para dirigir Star Wars de Han Solo

Não que Rian Johnson tenha criado um drama intimista com Star Wars: Os Últimos Jedi. O filme anda é um espetáculo, uma aventura gigantesca repleta de momentos desenhados para que a platéia grite, chore, aplauda, emocione-se. Seja um personagem usando a Força de maneira nunca vista antes. Seja um combate com sabres de luz absolutamente inesperado, que Johnson filma com tensão. Seja a personalidade mais definida de Finn e de Poe. Ter o trabalho de criar um novo Star Wars não é tarefa fácil – é só perguntar à dupla Phil Lord e Chris Miller, ejetados de Solo: A Star Wars Story há alguns meses. Rian Johnson abraçou a tarefa não só com paixão, mas também com a disposição de quem quer não abalar, mas reduzir a pó as estruturas da saga. O trabalho duro fica agora nas mãos de J.J. Abrams, que assume o leme do nono episódio e a tarefa de encerrar este capítulo de Star Wars. Depois de Os Últimos Jedi, é impossível sequer supor o que está por vir. E nada como ter essa empolgação a essa altura do campeonato, quatro décadas depois que George Lucas nos conduziu a uma galáxia muito distante.

Diretor mostra bastidores e realiza sonho de infância com “Os Últimos Jedi”

Fama, conselhos e outros filmes: a vida de Daisy Ridley pós-“Star Wars”

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo