Blog do Sadovski

Marvel anuncia 9 filmes até 2019. Dominação mundial vem a seguir...

Roberto Sadovski

29/10/2014 04h08

Black-Panther-Concept-Art

O mundo pertence aos super-heróis – só calhamos de viver nele. Com o anúncio da Fase 3 de seu Universo Cinematográfico, a Marvel marca território a longo prazo, aposta que o planeta continuará empolgado com as aventuras de seus personagens pelo menos pelos próximos cinco anos e prova que o cinemão de entretenimento atual é dominado por seres super poderosos. Eu já havia levantado essa bola antes, mas com nomes preenchendo os espaços em branco dá pra entender o plano do estúdio e a total confiança adquirida por seus primeiros dez filmes – e mais de 7 bilhões de dólares em caixa. Resumindo: não existe hoje no cinema uma marca tão ambiciosa, estimulante e certeira como a Marvel. Quem poderia imaginar.

Voltando no tempo, o anúncio de um filme de super-heróis pouco mais de uma década atrás seria recebido com espanto e empolgação. Um trailer era o gatilho para disparar a ansiedade dos fãs – hoje, basta fechar uma agenda. Dando nome aos bois:

Captain-America-Civil-War

Capitão América: Guerra Civil, 6 de maio de 2016

Doctor-Strange-logo-Official-550x220

Doutor Estranho, 4 de novembro de 2016

Guardians-of-the-Galaxy-2-Movie-Logo-Official

Guardiões da Galáxia 2, 5 de maio de 2017

Thor-3-Ragnarok-Logo-official-550x220

Thor: Ragnarok, 28 de julho de 2017

Black-Panther-Logo-Official-550x220

Pantera Negra, 3 de novembro de 2017

Captain-Marvel-Logo-official-550x220

Capitã Marvel, 6 de julho de 2018

Inhumans-Logo-Official-550x220

Inumanos, 2 de novembro de 2018

Avengers-Infinity-War-Logo-Officia-550x220

Vingadores: Guerra Infinita, Parte I (maio de 2018) e Parte II (maio de 2019)

Com o sucesso acachapante de Guardiões da Galáxia, a Marvel claramente perdeu a inibição e vai jogar nos cinemas uma pá de novos personagens, integrando-os a aventuras de outros heróis e dando mais coerência a seu universo. Os títulos podem dar pistas a quem é fã de quadrinhos, mas claramente não passa de um caminho, e não de respostas. Como Guerra Civil, que dá título ao terceiro Capitão América. Nos gibis, é um embate ideológico entre o Capitão e o Homem de Ferro quando o governo força que super-heróis registrem seus poderes e revelem suas identidades – o primeiro é contra, o segundo abraça a ideia. O filme deve trazer este conceito, mas se distanciar da série em papel. Robert Downey Jr. será o “antagonista” de Chris Evans na aventura que apresenta Chadwick Boseman como o Pantera Negra.

Embora a boataria dê como certo Benedict Cumberbatch como o Dr. Estranho, seu nome ainda não foi confirmado. Nos próximos anos, os fãs devem se divertir especulando quem deve interpretar Caron Danvers, a Capitã Marvel; quais Inumanos estarão no filme (Raio Negro? Medusa? Dentinho?); quem dará as caras no segundo Guardiões da Galáxia (Adam Warlock?); e quantos heróis de seu universo a Marvel vai conseguir empurrar nas duas partes de Guerra Infinita, com os Vingadores. Ausentes em filmes-solo? Nada de Planeta Hulk, ou Viúva Negra, ou Gavião Arqueiro, ou mesmo Homem de Ferro 4. Nada de Homem-Aranha passando para a Marvel no cinema. Pelo menos por enquanto. “O que apresentamos é a Marvel até 2019”, explicou o presidente do estúdio, Kevin Feige. “Se o mundo ainda estiver no lugar depois disso, todas as possibilidades estão na mesa.”

MARVEL'S DAREDEVIL

O Demolidor experimenta seu primeiro traje na série do Netflix

Mais Marvel? Na TV, Agentes da S.H.I.E.L.D. não é um campeão de audiência mas tem apresentado números sólidos. Agente Carter, que traz Hayley Atwell, Dominic Cooper e o começo da S.H.I.E.L.D., chega à TV no começo do ano que vem. Isso sem contar as séries do Netflix com o selo Marvel, tudo integrando o mesmo universo: Demolidor, Punho de Ferro, Luke Cage, Jessica Jones e Os Defensores, que reúne os heróis urbanos. Ainda assim, a telinha é território dominado pela concorrência. Flash, que acabou de estrear, registrou os maiores índices de audiência da história do canal CW. Gotham ganhou aplausos, Constantine segue o mesmo entusiasmo. Supergirl, Krypton e Novos Titãs estão em desenvolvimento. Arrow continua atraindo fãs e não-fãs e expandindo as fronteiras da DC na TV.

Bizarramente, o anúncio de seu próprio universo cinematográfico algumas semanas atrás não causou um décimo do furor do evento da Marvel. Essa é a palavra-chave: evento. A Fase 3 do Universo Cinematográfico Marvel foi revelada em uma apresentação especial com imprensa e fãs, com vídeos dos anúncios pousando em blogs e redes sociais segundos depois, fotos dos astros no palco (o que incluiu seu maior garoto-propaganda, Robert Downey Jr.) e um clima de mistério que o estúdio aperfeiçoou em anos dominando a Comic-Con. A DC? Mostrou suas cartas na manga em um evento fechado para acionistas do estúdio… Assim fica difícil competir, mesmo que a seleção seja promissora (e sem logos, já que a DC é preguiçosa…):

BATMAN v SUPERMAN: DAWN OF JUSTICE (25 de março de 2016)

ESQUADRÃO SUICIDA (5 de agosto de 2016)

MULHER MARAVILHA (23 de junho de 2017)

LIGA DA JUSTIÇA PARTE UM (17 de novembro de 2017)

THE FLASH (23 de março de 2018)

AQUAMAN (27 de julho de 2018)

SHAZAM (5 de abril de 2019)

LIGA DA JUSTIÇA PARTE DOIS (14 de junho de 2019)

CYBORG (3 de abril de 2020)

LANTERNA VERDE (19 de junho de 2020)

Cedo ou tarde alguém produz um mapa bonitinho e eu atualizo o post, prometo!

O mistério é saber até quando o cinema vai sustentar essa “era heróica” até a inevitável fadiga – afinal, na contabilidade aí em cima não entram as tentativas da Sony em injetar ânimo no Homem-Aranha (com Sexteto Sinistro e outros filmes que eu duvido que saiam do papel), o reboot de Quarteto Fantástico ou o extremamente bem sucedido universo dos X-Men. Por outro lado, tudo vai depender da qualidade dos filmes. Claro que muita gente torce o nariz para essa fase que o cinemão atravessa. Mas não há como não admitir que são estes os filmes que determinam os rumos do cinema de entretenimento atual. Apontar datas de olho num futuro tão distante é necessário para definir sua estratégia ante a concorrência e ao mercado. Difícil vai ser testemunhar um plano tão ousado como o da Marvel ser bem sucedido de maneira tão espetacular em outras casas. Agora, quer saber quando o cinema pop vai virar ao avesso mesmo? Anote no calendário: 18 de dezembro de 2015. É quando a “galáxia muito distante” entra na festa. Quem manda um ano ter só doze meses… E eu deixo você com o trailer estendido de Vingadores: Era de Ultron. Porque sim.

Trailer legendado estendido de “Vingadores: Era de Ultron”

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo