PUBLICIDADE
Topo

Será que o novo Homem-Aranha nos cinemas está nas mãos da Marvel?

Roberto Sadovski

15/01/2015 01h59

spideyaveng1_large

Em 2004, depois de bater um longo papo com Sam Raimi sobre Homem-Aranha 2, ele perguntou: "Mas, Roberto, se você não estivesse falando comigo, qual você diria que é seu herói favorito?". Não teve hesitação de minha parte quando disparei, sem um pingo de cinismo: "Homem-Aranha, oras". É o meu favorito, é com quem eu mais me identificava ao começar a ler quadrinhos aos 5 anos, é o que mais me fascina até hoje, mesmo com histórias incríveis (o casamento com Mary Jane, a Última Caçada de Kraven, seu corpo tomado pela mente do Dr. Octopus, tornando-se o Homem-Aranha Superior) e terríveis (a Saga do Clone, Gwen Stacy sendo mãe dos filhos de Norman Osborne, o pacto com Mefisto) compondo uma saga que se estendo por cinco décadas.

Por isso, é fácil para mim dizer que eu nunca vi o Homem-Aranha no cinema.

Sério. Nunquinha. Ok, Homem-Aranha 2, de Sam Raimi, que é o único total e verdadeiro "filme de fã" do herói, foi o que mais se aproximou de mostrar o loser, o sujeito que, certa vez disse que choveria esterco em sua cabeça mesmo que no resto do mundo só despencasse rosas do céu. O cara que aprendeu a duras penas que "grandes poderes trazem grandes responsabilidades", e que se tornar um super-herói só deixou sua vida pior. Os outros quatro filmes são uma aventura romântica adolescente, concentrando o conflito de Peter Parker (Tobey Maguire e Andrew Garfield) na busca pelo amor de Mary Jane (Kirsten Dunst) ou Gwen Stacy (Emma Stone). Não estou dizendo que são filmes ruins (e não são, mas haters gonna hate). Só não são exatamente filmes do Homem-Aranha que me acompanhou na infância, adolescência e na decrepitude.

maxresdefault

Agora tudo pode mudar. O Latino Review especula, segundo suas fontes, que a Marvel vai finalmente abocanhar o Homem-Aranha do cinema (hoje de propriedade da Sony) e colocá-lo em seu Universo Cinematográfico. A data: maio de 2018, quando estrear Vingadores: A Guerra do Infinito – Parte 1. Em uma cronologia de acontecimentos plausível, porém fantasiosa, o colunista traça toda a sequência pós-Era de Ultron, deixando os heróis no cinema separados, destruídos, desacreditados e mortos, uma narrativa que engloba Capitão América: Guerra Civil, Thor: Ragnarok, Pantera Negra, Dr. Estranho e todo o resto no listão do estúdio. Nessa lógica, o Homem-Aranha teria perdido o timing de ser inserido no roteiro de Guerra Civil, mas estaria apto a ganhar seu espaço ao lado de novos Vingadores.

Nessa nova "fase", todas as encarnações anteriores do Aranha seriam limadas e ele, claro, ganharia um novo intérprete. Mais ainda: nas mãos da Marvel, que tem uma idéia bem clara de como seria o Cabeça de Teia no cinema (e NÃO seria em uma aventura romântica porque, bom, já deu), a possibilidade de pintar a tradução mais fiel do herói como foi concebido no papel seria possível. Mas, calma lá! Tudo a esse ponto não passa de achismo. Então não adianta se empolgar e espalhar aos quatro ventos que "o Homem-Aranha está nos Vingadores no cinema", já que, como quase tudo relacionado com filmes de super-heróis, é boato até algum figurão (no caso Kevin Feige) confirmar.

A resposta para a pergunta do título, portanto, é não. Ao menos por enquanto. A Sony já negou os boatos, a Disney/Marvel não comentou. Óbvio. O Homem-Aranha será abocanhado pela Marvel no cinema? Claro, questão de tempo. Os X-Men também? Duvido muito – se Quarteto Fantástico faturar uma grana, duvido também. Essa é a natureza dos fãs de quadrinhos e cinema pop, abraçar um rumor como se fosse verdade – até quebrar a cara, ou até tudo se confirmar, o que seria em cerca de três anos… Acontece em todos os grandes filmes, e tudo termina sendo desbancado com o tempo. Mas, oras, parte da graça em ser nerd/geek/fidideus é justamente sentar num bar e discutir possibilidades. Há quem faça disso um trampo em tempo integral…

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.