PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

Quem é Deadpool e por que ele deve mudar os super-heróis no cinema?

Roberto Sadovski

12/07/2015 08h00

deadpool1-gallery-image

A Comic-Con 2016 foi encerrada em San Diego com uma metralhadora de palavras que a censura não permite repetir aqui. Ryan Reynolds conduziu o painel de Deadpool com uma plateia ensandecida, que exigiu que o primeiro teaser do filme fosse repetido – e foram atendidos. Foi o bastante para Deadpool se tornar o centro das atenções, mesmo num evento que revelou o trailer novinho de Batman Vs. Superman. Mas, afinal, como um personagem de terceira linha da Marvel, que já fora levado ao cinema de maneira completamente tosca (já já a gente volta a isso….), de repente se tornou o filme-evento que promete mudar o cinema de super-heróis em fevereiro do ano que vem?

Primeiro, é bom entender a gênese de Deadpool nos quadrinhos. Foi o desenhista (e olhe lá…) Rob Liefeld, um sujeito que desafia qualquer convenção sobre anatomia humana, e que ainda assim mantém uma legião de fãs, que o criou na edição 98 da série Os Novos Mutantes ao lado do roteirista Fabian Nicieza – isso em fevereiro de 1991. Até ali, Wade Wilson – real identidade do personagem – surgia como um assassino profissional implacável, com um traje carregado de armas, espadas e mais bolsos que seria logicamente viável. Mas eram os anos 90, a época dos excessos nos quadrinhos, e muitos que torceram o nariz também se resignaram porque, afinal, não ia demorar muito para tudo aquilo ficar para trás.

deadpool new mutants

Deadpool em sua estreia nos quadrinhos, em 1991

Só que Deadpool não arredou o pé. Pelo contrário: a Marvel retrabalhou sua fórmula e o mercenário ganhou tintas surreais. Ele é um assassino mutante que sofre de câncer, tem o rosto completamente desfigurado, é basicamente imortal devido a um fator de cura talvez mais poderoso que o de Wolverine, e constantemente conversa com o leitor, quebrando a quarta parede. Para surpresa dos outros personagens que povoam suas histórias, Deadpool aceita o fato de que não passa de um ser de ficção dentro de uma história em quadrinhos – como um Ferris Bueller com muita acne mal resolvida e um instinto assassino feroz. Ah, e ele é completamente pinel….

Os fãs, vai saber como, abraçaram a coisa, e Deadpool, de coadjuvante classe Z, passou ao primeiro time, dividindo a ação com os X-Men, Wolverine, Vingadores e Homem-Aranha. É como se os roteiristas sentissem liberdade extra ao colocar os dedos nos textos do (anti) herói, o que já foi confirmado pelo roteirista Joe Kelly: "A gente esperava que o gibi fosse cancelado a cada cinco segundos, então dava pra fazer basicamente tudo que a gente queria". Essa subversão às "regras" dos gibis de super-heróis pode explicar o fascínio dos fãs pelo personagem – mais ou menos como o assassino espacial Lobo, da concorrente DC Comics, também faz sucesso, principalmente entre leitores mais jovens. A zoeira, dizem por aí, não tem mesmo limites.

Mandatory credit: TM & copyright 20th Century Fox. No Merchandising. Editorial Use Only. No Book Cover Usage. No Book or TV usage without prior permission from Rex Mandatory Credit: Photo by c.20thC.Fox/Everett/REX (738856w) 'X-Men Origins: Wolverine', Ryan Reynolds 'X-Men Origins: Wolverine' Film - 2009

Em seu primeiro filme, X-Men Origens: Wolverine, Deadpool começou assim….

Claro que Hollywood estava de olho. E, claro, a coisa saiu torta. Quando Hugh Jackman ganhou seu primeiro filme fora da série dos X-Men, um dos integrantes de sua "equipe" em X-Men Origens: Wolverine era justamente Deadpool – ou Wade Wilson, interpretado de cara limpa por Ryan Reynolds. Estava tudo errado – tão errado que, para o clímax do filme, Deadpool foi apresentado completamente descaracterizado e, heresia supresa, com os lábios costurados. Um personagem apelidado merc with a mouth, ou seja, o mercenário que não cala a boca. É parte do seu charme, parte do seu humor, o que o filme com Jackman basicamente castrou.

deadpool-x-men-origins-will-deadpool-introduce-alternative-realities-to-the-x-men-universe-jpeg-288669

… e terminou assim, descaracterizado, sem uniforme e sem boca!

Podia ser o fim de Deadpool no cinema, até porque Ryan Reynolds pulou a cerca e foi fazer Lanterna Verde para a Warner/DC – por sinal, um fracasso artístico e comercial gigante. Mas o astro nunca abandonou a ideia de retomar Deadpool, até por ele a) ser fã de quadrinhos e b) ter total consciência que ajudou a melar a coisa em X-Men Origens. Reynolds, porém, não tem a estatura para bancar um projeto assim – mesmo porque o mundo mutante da Marvel, de propriedade da Fox no cinema, talvez não tivesse espaço para projetos de vaidade. O jogo virou, entretanto, quando um teste de efeitos especiais com o personagem, ainda interpretado por Reynolds e , desta vez, fiel aos quadrinhos, vazou online em julho de 2014. Os fãs piraram. Reynolds alimentou o fogo online. Em setembro o estúdio decidiu pagar para ver, fechando a estreia de Deadpool para 12 de fevereiro de 2016, com Ryan Reynolds no papel principal. Às vezes, ser um pouco louco vale a pena.

O que nos traz de volta ao painel da Comic-Con. Muitas vezes, o cinema de super-heróis repete fórmulas consagradas e de resultados – por mais que o novo trailer de Batman Vs. Superman revelado também em San Diego seja incrível, ainda é um projeto que nem se atreve a ousar. Reylnolds e seu diretor, o especialista em efeitos especiais Tim Miller, aqui fazendo sua estreia atrás das câmeras, convenceram os homens do dinheiro que a única maneira de fazer o filme seria não desviar de sua fórmula de sucesso nos gibis – e como Joe Kelly disse, se a coisa toda parece que vai desmoronar a qualquer instante, por que não cair com estilo e tirando todos os gatos do saco? Durante o painel, Reynolds foi enfático que o espírito dos quadrinhos é o que guia o filme: "É tudo que amamos no gibis, temos esse sujeito que obviamente vai quebrar a quarta parede, obviamente vai dizer o que bem entender". Como resultado, Deadpool chega recheado de palavrões, diálogos vulgares, escatologia e violência extrema – o que fez o teto do Hall H no evento de San Diego vir abaixo com os urros entusiasmados dos fãs.

Deadpool-leaked-test-footage

Cena do teste de efeitos especiais que convenceu a Fox a bancar Deadpool

Momento de confissão: eu nunca dei a mínima para Deadpool, já que ele representa uma fase dos quadrinhos de super-heróis que era só estilo, zero substância. Assim como Blade, porém, é um personagem com grandes chances de encontrar sua versão definitiva no cinema, deixando de lado todo o começo equivocado e a cronologia confusa dos gibis mutantes dos anos 90 para se concentrar no filé. E, assim como Blade, traz censura R, que em teoria deixa a molecada fora do cinema e aponta para um filme mais intenso e sem medo de abraçar a bizarrice, violência e humor negro e auto-referente dos gibis (no material apresentado em San Diego, Reynolds diz que, se for transformado num super-herói, que ao menos seu traje nõ seja nem verde e nem animado). Se for um sucesso, e a reacão na Comic-Con indica que os passos estão certos, a aventura pode mostrar que um filme baseado em quadrinhos não precisa necessariamente ser uma aventura para toda a família. E, quem sabe, finalmente fazer de Ryan Reynolds um astro do primeiro time.

DEADPOOL TM and © 2015 Twentieth Century Fox Film Corporation.  All Rights Reserved.  Not for sale or duplication.

Ano que vem, Deadpool vai de táxi aos cinemas (essa com ele é a mutante Negasonic Teenage Warhead… sério)

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.