Blog do Sadovski

Star Wars é sensacional! Mas Mad Max ainda é o melhor filme do ano

Roberto Sadovski

19/12/2015 02h38

Screen shot 2015-12-19 at 2.19.36 AM

Laranjas e maçãs. Mad Max: Estrada da Fúria e Star Wars: O Despertar da Força fazem parte de universos cinematográficos tão distintos que é impossível traçar alguma comparação – e lhes dar peso. Mas isso nunca me impediu antes de jogar meus dois centavos. Então, vamos lá. A volta da saga da família Skywalker, agora pelas mãos de J.J. Abrams, é um espetáculo para os sentidos, uma festa para os olhos, um filme (quase) completo. Eu falei sobre ele aqui, e provavelmente o assunto não vai se esgotar por muito tempo – se depender da Disney, provavelmente nunca. Mas a sinfonia de caos e destruição orquestrada por George Miller é um animal diferente, mais vistoso, mais encorpado, mais cheio de camadas, nuances, falhas, urgência e, por que não, esperança. É, também, um artesanato mais completo, sobre o qual eu falei aqui. O Despertar da Força é um fenômeno. Estrada da Fúria é mais cinema.

Talvez o ponto da questão seja intenção. Com O Despertar da Força, J.J. entregou de ponta a ponta o filme que os fãs esperavam. Reproduziu, com habilidade e inteligência, a narrativa do primeiro Star Wars, Uma Nova Esperança, salpicando beats familiares e eficientes de O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi. É impressionante, na verdade, o quanto a aventura consegue parecer moderna e inovadora, seguindo de tal forma a trilogia clássica – o que prova o quanto George Lucas estava à frente do tempo. Mesmo que Star Wars sempre tenha sido uma viagem nostálgica. O próprio George fez o primeiro filme costurando retalhes de referências que ele trazia na bagagem. Não é ficção científica, nem de longe. É western, é fantasia medieval, com direito a castelo impenetrável, cavaleiro negro, velho sábio, jovem aprendiz, sacrifício, nobreza. E é seguro: apesar das surpresas, J.J. não está ali para inovar, e sim para reacender uma chama. O resultado é, sem meias palavras, fenomenal: O Despertar da Força é o Star Wars que esperávamos há três décadas, e já é parte indelével da cultura pop.

Mas George Miller não quer agradar a ninguém, a não ser aquele animal enjaulado há décadas em sua mente. Mad Max: Estrada da Fúria é exatamente a realização de uma visão, mesmo que ela vá de encontro ao que se espera de um candidato a blockbuster. Tudo em Max é sobre correr riscos – do design ao tom da aventura ao desenvolvimento de personagens e todas as perguntas que o filme levanta. A narrativa é tão cheia de camadas, abre espaço para tantas leituras, que eu ainda descubro coisas novas, mesmo após dúzia de sessões. A aventura na estrada emoldura uma trama sobre desesperança, sobre empoderamento, sobre a força em quebrar o mundo e a vontade em consertá-lo. Max (Tom Hardy) é o protagonista, é o gatilho das mudanças, uma casca vazia em forma humana, entregue a seu destino, que reencontra um propósito, mesme que tênue. Mas o filme é a jornada de Furiosa (Charlize Theron), e acompanhamos em tensão constante seu desespero transformado em fúria, em esperança, em pesadelo, em fuga e, finalmente, na promessa de algo melhor. Não existe gordura na execução de Miller, não existe um elemento em cena que não sirva para avançar a história. Mad Max: Estrada da Fúria não é um produto. É um filme. E (ainda) não existiu outro este ano tão arrebatador, tão completo e tão sensacional.

Laranjas e maçãs. Igualmente saborosas. Depende do paladar.

 

* rapazes e moças, por favor, nada de spoilers nos comentários, tive de apagar alguns do post sobre Star Wars

** até o dia 31 de dezembro – mais tardar na primeira semana de janeiro –, listão completo dos melhores filmes de 2015!

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo