Blog do Sadovski

Zoolander 2 é uma piada ruim que já saiu de moda

Roberto Sadovski

03/03/2016 15h37

zoolander

Zoolander chegou aos cinemas ianques dezessete dias depois do ataque às torres do World Trade Center, em 11 de setembro de 2001. O país estava de luto, e talvez uma comédia boboca e inofensiva sobre um modelo com QI de ameba enfrentando um gênio do mal fosse o que o público precisava para desligar a mente do horror da vida real. Com o tempo, Zoolander se tornou cult, com suas referências à cultura pop, suas piadas politicamente incorretas e uma descarada tiração de sarro à indústria da moda e a seus ícones que se levam a sério demais.

Corta para quinze anos depois. Os Estados Unidos já estão (mais ou menos) recuperados do 11/9. O prognóstico que filmes como Zoolander seriam tudo que o povo ia querer assistir, deixando de lado filmes de ação com tiros e explosões, não se confirmou. Ben Stiller continuou dirigindo filmes e amadurecendo seus temas, de Trovão Tropical (que é jóia) a A Vida Secreta de Walter Mitty (que não é tão jóia assim, mas, né…). Mas como nostalgia é uma das forças que move as engrenagens do cinema, ele achou uma boa ideia ressuscitar seu Derek Zoolander. Convocou os amigos, aumentou o escopo, retomou o personagem. Só esqueceu que precisava de uma boa história para amarrar a coisa toda.

Zoolander 2 é um engavetamento em descida de serra. Curioso o bastante para diminuir a velocidade e dar uma espiada, mas nada tão grave que valha a pena encostar e dar uma força. É uma comédia sem graça, que parece até seus similares brasileiros quando tenta fazer rir na base do grito e da histeria. A trama é tão preguiçosa que tenta refazer os beats do original, porém sem encaixar nem uma ideia nova. Fora de sintonia com o próprio assunto que tenta satirizar, o filme termina como uma salada de gags que, se ora funcionam para arrancar um sorriso, nunca funcionam quando amarradas num contexto – se é que dá para chamar a trama assim.

Quinze anos depois do filme original, Zoolander (Stiller) vive como um eremita, isolado do mundo após causar a morte da mulher e de perder a custódia de seu filho. Um convite para voltar às passarelas o faz deixar seu isolamento e reencontrar seu amigo e ex-rival, Hansen (Owen Wilson), que nutre rancor pelo modelo por ter ficado com o rosto desfigurado no mesmo acidente provocado por Zoolander…. Lendo assim, a trama parece um drama de superação, mas na verdade é desculpa para Stiller e seu exército de roteiristas entulhar o filme com personagens bizarros e celebridades que toparam uma ponta.

O problema é que nada surge como algo além de escada para Stiller. Benedict Cumberbatch dá as caras como o modelo andrógino Tudo, mas sai de cena em menos de dez minutos. Kristen Wiig entra no jogo como a empresária da moda Alexanya Atoz, de figurino esdrúxullo e um sotaque tão bizarro que as legendas em português sequer tentam acompanhar – mesmo assim, ela também não tem função além de decorativa. Pior sorte tem Penélope Cruz, alçada à condição de co-protagonista no papel da ex-modelo/agente da Interpol Valentina Valência, que basicamente serve como “atriz gostosa” no filme e nada mais.

A história é uma bobagem sobre a morte de astros pop, como Justin Bibier, que esconde uma conspiração para encontrar a fonte da juventude – a piada óbvia, que Penélope Cruz já foi atrás do mesmo mcguffin no último Piratas do Caribe, passa batida. A volta de Zoolander e Hensel esconde um plano para encontrar o “escolhido”, único capaz de revelar o mito, e termina num plot de vingança de Jacobim Mugatu, vilão interpretado por Will Ferrell. Não é exagero dizer que Ferrell é a melhor coisa do filme: é certo dizer que ele é a única coisa que vale a pena em todo o filme!

Zoolander 2 é o típico caso de egotrip hollywoodiana, do astro que conta com a boa vontade da indústria para bancar uma bobagem que, basicamente, funcionou em um momento específico. Não havia “demanda” para um segundo filme ou para a volta dos personagens. Os amigos, claro, compareceram em peso – Sting, Billy Zane, Katy Perry, Kiefer Sutherland (no papel mais bizarro do longa), Naomi Campbell, TODO MUNDO que é alguém no mundo da moda, Cumberbatch, Bibier. O público, por sua vez, deu de ombros: Zoolander 2 encontrou os cinemas vazios porque, pelo visto, ninguém quer ouvir a mesma piada duas vezes. E nem quinze anos depois.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo