Blog do Sadovski

Atômica: Charlize Theron quer um "John Wick" para chamar de seu

Roberto Sadovski

15/03/2017 06h19

Charlize Theron não é nenhuma estranha quando o assunto são filmes de ação. De coadjuvante em Uma Saída de Mestre a protagonista em Aeon Flux, ela teve super-poderes em Hancock, vilã sobrenatural em Branca de Neve e o Caçador e guerreira pós-apocalíptica na obra prima absoluta Mad Max: Estrada da Fúria. Atômica, porém, parece levar a coisa a outro patamar. O que começou como a adaptação da HQ de espionagem independente The Coldest City transmutou-se em veículo para a atriz arregaçar as mangas e embarcar numa jornada de sangue, sexo e violência – só coisa fina. Exibido em primeira mão durante o festival SXSW, no Texas, Atomic Blonde – título escolhido pelo estúdio na gringa e que mostra que eles não estão para brincadeira – é uma coleção de sequências que elevam o jogo no cenário dos filmes de ação e chega com a missão de dar a Charlize sua própria franquia (detesto essa palavra), dando novo fôlego à sua carreira. Mais ou menos como John Wick fez em 2014 com Keanu Reeves. Não é ao acaso que ambos os filmes tem algo em comum: o mesmo diretor, David Leitch.

O trailer é uma paulada e coloca a atriz em território totalmente desconhecido. Não é como Angelina Jolie em Salt ou mesmo Uma Thurman em Kill Bill. Assim como o mundo de Keanu Reeves em John Wick é uma representação exagerada do nosso, desenhado para os propósitos da trama, Atômica dobra a realidade para acomodar Charlize Theron em versão espiã/assassina implacável. A trama também é de uma simplicidade absurda: ela é Lorraine, agente do MI-6, o serviço secreto britânico, enviada a Berlim no auge da Guerra Fria para investigar o assassinato de um colega e recuperar uma lista de agentes duplos. E é isso. Em parceria com seu superior, David Percival (James McAvoy), o que se segue é uma série de pedaços de ação meticulosamente arquitetados para amarrar a trama. E Leitch, que fez seu nome em Hollywood como coordenador de dublês, já provou que colar uma narrativa com pancadaria coreografada como um balé de destruição é seu forte.

Charlize Theron, James McAvoy e a Berlim do auge da Guerra Fria

A plateia do SWSX abraçou a ideia e recebeu Atômica com entusiasmo. Entre eles, um convidado inusitado: Sam Hart, desenhista britânico de nascimento e brasileiro desde sempre, responsável pela arte de The Coldest City. “O filme ficou sensacional”, derrete-se Hart, que teve a chance de conversar com Leitch e com McAvoy após a sessão. “Já a Charlize, bom, eu dei um oi de longe, a moça estava ocupada”, brinca. Ele conta que a ideia do quadrinho, escrito por Anthony Johnston, era abraçar uma ambientação mais sóbria, ao estilo dos romances de espionagem de John le Carré, autor de O Espião Que Sabia Demais e O Alfaiate do Panamá. Mas confessa que ficou satisfeito com a guinada pop conduzida pelo diretor. “A mudança de nome faz total sentido”, explica. “O estúdio queria que Charlize fosse o foco, até mais do que a trama, e o título entrega que o filme é mesmo sobre ela.” A história em quadrinhos original, apesar de estar sendo negociada com algumas editoras no Brasil, permanece inédita por aqui: “Vamos ver se, com o filme, o interesse muda”.

Atômica busca ser mais um alicerce do novo cinema de ação em Hollywood, cortesia de uma geração de realizadores que entende o poder da mistura de humor e violência, aliado a uma trama fácil de seguir, produção esmerada ao máximo e ancorada por astros dispostos a sair da caixinha. É a sensibilidade que vemos em Matthew Vaughn (Kick-Ass, Kingsman: O Serviço Secreto) e em Gareth Evans (os dois The Raid, batizado aqui Operação: Invasão), em Jordan Vogt-Roberts (Kong: A Ilha da Caveira é trabalho de artesão) e em Justin Lin (que transformou a série Velozes & Furiosos no colosso de hoje). É o que Rupert Sanders parece mirar em A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell. E é o que David Leitch conseguiu ao lado de Chad Stahelski em John Wick. Stahelski, por sinal, continuou com Keanu na continuação Um Novo Dia Para Matar, e agora vai tocar o reboot de Highlander. Leitch agora vai fazer um dos filmes com mais olhos atentos a cada movimento: Deadpool 2. Entre eles, Charlize Theron arrebenta (e não sai ilesa, por sinal) dezenas, esvazia cartuchos de balas e ganha um par romântico tão inusitado quanto sensacional em Sofia Boutella. Atômica estreia por aqui em 3 de agosto.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo