Blog do Sadovski

Trailer de Thor Ragnarok mostra muito sem revelar absolutamente nada

Roberto Sadovski

10/04/2017 16h17

O diretor James Gunn, dos dois Guardiões da Galáxia, disse há poucos meses que o trailer de Thor Ragnarok era o melhor que a Marvel havia produzido. Bom, se ele exagerou ou não, o fato é que não é só oba oba: em pouco menos de dois minutos, a prévia do filme de Taika Waititi (segura esse nome) consegue explicar onde nosso herói se encontra na trama, posicionar a vilã (Hela, papel de Cate Blanchett), reduzir a pó algumas certezas deste mundo (Asgard, lar dos deuses nórdicos, é destruido), introduzir novos jogadores (Jeff Goldblum, Tessa Thompson, Karl Urban), resgatar velhos conhecidos (Idris Elba, Tom Hiddleston), injetar cor e humor e, a cereja no topo do bolo, terminar com um money shot que vai deixar o cinema aplaudindo em pé.

O melhor? Isso tudo mal deve cobrir o primeiro terço do filme.

Demorou, mas Thor finalmente ganha um capacete para chamar de seu…

É uma regra que a Marvel em particular – e os filmões em geral – parecem ter adotado: não colocar praticamente todo o filme resumido em um trailer. É uma reclamação antiga de cinéfilos, que terminou virando uma tendência meio besta: “não vejo mais trailer porque entrega todo o filme”. Como em tudo que envolve oceanos de dinheiro, criar um trailer não é compilar algumas cenas chave e pumba. Por anos, estúdios fizeram dezenas de pesquisas para dar ao público o aperitivo certo para vender seus produtos, e descobriram que a esmagadora maioria de quem vai ao cinema prefere investir seus trocados em alguma atração que lhe pareça familiar – entregar um trailer que não deixava nada de fora fazia parte da estratégia.

Os novos tempos (e a internet, e as mídias sociais, e os blogueiros que coçam o dedo para publicar boaos como se fosse notícia) fizeram com que os donos do dinheiro pisassem no freio e repensassem essa estratégia, criando seu material promocional (trailers, os infames teasers de trailers, cartazes etc) de acordo com cada filme e com cada público-alvo. Assim, a gente vê um preview de Velozes & Furiosos 8 aparentemente entregando o ouro, mas com o filme preservando suas grandes surpresas. Ou trailers como o de Batman vs Superman, que basicamente só deixou de fora a morte do Homem de Aço. Ou ainda trailers que não revelam nada, como Interestelar ou Garota Exemplar.

Thor: Ragnarok..Hela (Cate Blanchett)..Photo: Jasin Boland..©Marvel Studios 2017

Cate Blanchett surge bela e mortal como Hela, a Deusa da Morte

A prévia de Thor Ragnarok está alinhada com o que a Marvel em feito, de maneira brilhante, com os outros filmes de seu universo cinematográfico. O que aprendemos é que o Deus do Trovão (Chris Hemsworth, ainda cabeludo), após partir em busca de respostas sobre as Jóias do Infinito ao fim de Vingadores: Era de Ultron, enfrenta Hela, Deusa da Morte, livre de sua prisão e furiosa ao extremo. Ela destrói Mjolnir, o martelo do herói (!), deixa Asgard devasada (!!) e expulsa seu adversário para os confins do universo, mais precisamente o planeta Sakaar. Capturado por mercenários liderados pela Valkíria (Tessa Thompson), Thor (Chris Hemsworth, agora de cabelo curto) é apresentado como gladiador ao Grande Mestre (Jeff Goldbulm) e jogado na arena. Seu adversário? O incrível Hulk (Mark Ruffalo e um monte de CGI). Ah, e você nunca verá ninguém mais feliz do que Thor ao rever seu “amigo do trabalho” – antes de os dois sairem no braço.

Thor: Ragnarok..L to R: Bruce Banner (Mark Ruffalo) and Thor (Chris Hemsworth)..Photo: Jasin Boland..©Marvel Studios 2017

Bruce Banner (Mark Ruffalo) e Thor (Chris Hemsworth), companheiros de trabalho

Tudo isso – Mjolnir destruído, Asgard em ruínas, Thor e Hulk saindo no braço em Sakaar – promete ser o gatilho da aventura, e não seu clímax. O produtor Kevin Feige não foi econômico ao repetir em diversas ocasiões que Thor Ragnarock é um road movie, com os heróis caindo na estrada (ou melhor, viajando entre diversos mundos) para enfrentar a ameaça de Hela, resgatar Odin, encontrar o Doutor Estranho em Nova York – tem muito chão para cobrir! Dos três filmes com o selo Marvel lançados este ano, vale ressaltar, a aventura dirigida por Taika Waititi (guardou bem este nome?) é a que deve trazer mais laços com Vingadores: Guerra Infinita, que chega aos cinemas em 2018, amarrando toda a trama com o vilão cósmico Thanos em uma batalha com praticamente todo o universo Marvel. Os mundos além da Terra mostrados em Thor Ragnarok são coloridos e vibrantes, como em Guardiões da Galáxia. Thanos corteja a Morte, e Hela é a Deusa da Morte. Nada é ao acaso. E eu jogo no mesmo balaio “The Immigrant Song”, clássico absoluto do Led Zeppelin que enfeita o trailer. Mas deixo o trabalho de decifrar para alguém mais esperto que eu.

 

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo