Blog do Sadovski

Com elenco classe A e efeitos especiais bacanas, Vida é filme de terror B disfarçado de superprodução

Roberto Sadovski

20/04/2017 03h41

Num mundo perfeito, Vida seria um VHS surrado, exposto numa locadora ao lado de cópias de Galáxia do Terror, XB: Galáxia Proibida e Mercenários das Galáxias. O título na caixa seria algo como “A Criatura Assassina das Galáxias”. Não se iluda, portanto, com o verniz de superprodução hollywoodiana. A ficção científica de Daniel Espinosa (Protegendo o Inimigo) é um “filme de monstro”, uma cópia moderna de Alien, o Oitavo Passageiro, só que feita com mais grana e gente famosa do que as dúzias de clones da obra de Ridley Scott que surgiram nos anos 80. É tenso, extremamente violento… e incrivelmente divertido! Vida pode ser um título equivocado, mais adequado a um documentário sobre leões devorando gazelas do Discovery Channel. Mas, sejamos honestos, se você deu uma espiada no poster, sabe exatamente o que esperar.

O mesmo não pode ser dito dos tripulantes de uma estação espacial orbitando a Terra, prestes a recuperar um múdulo contendo amostras do solo de Marte. Eis que a equipe descobre, maravilhada, a primeira forma de vida extraterrestre já registrada, um organismo não muito maior que um bactéria. Batizado Calvin, ele cresce e evolui, logo releva instinto de sobrevivência implacável e, como não poderia deixar de ser, transforma cada um dos astronautas em alvo. Se a estação espacial cair na Terra, é certo que Calvin fará com a população do planeta exatamente o que os cientistas à bordo concluiram que ele fez com a vida em Marte. A partir daí, Vida se torna, ao mesmo tempo, um jogo de gato e rato e uma corrida contra o relógio: é preciso conter a criatura e, mais importante, jamais deixar que ela alcance nosso planeta. Na mistura, muita ciência de araque e seres humanos mortos de maneiras tão criativas quanto perturbadoras – imagine um alien dentro de um corpo, destruindo tudo de dentro para fora. Brrrrr….

David Jordan (Jake Gyllenhaal) e Miranda North (Rebecca Ferguson) se viram em Vida

Se Vida é um terrorzão B com recursos de cinemão, o elenco entendeu exatamente a proposta e abraçou seus estereótipos. Ryan Reynolds é o engenheiro marrento e impulsivo, ao passo de Jake Gylenhaal é o médico militar introspectivo e cabeça fria. Ariyon Bakare, veterano da TV inglesa, é o biólogo que enxerga as possibilidades que o organismo apresenta e Hiroyuki Sanada (O Último Samurai, Wolverine Imortal) é o piloto com razões fortes para voltar à Terra. Rebecca Ferguson (Missão Impossível – Nação Secreta) é a responsável pela quarentena que armou as medidas para impedir que qualquer criatura entre na atmosfera terrestre e Olga Dihovichnaya é a comandante da missão que… bom, ela morre rapidinho, então deixa quieto. Todos entram em campo dando tudo de si, o que ajuda o filme a ganhar credibilidade e também um senso de urgência. Afinal, se astros do primeiro escalão morrem nas mãos de Calvin, então tudo pode acontecer.

O elenco internacional ensaia um subtexto político (afinal, quem seria o “dono” da descoberta?) e é uma ideia que o roteiro ameaça aprofundar. Mas como o texto é assinado por Rhett Reese e Paul Wernick, autores de Deadpool, então fica claro que Vida não está em busca de profundidade, e sim de uma narrativa eletrizante, sustos criativos e desfecho inesperado. Calvin é, por sinal, um dos monstros cinematográficos mais bacanas já produzidos, indo de gosma protoplásmica a uma espécie de água-viva flutuante, culminando numa criatura de tentáculos poderosos que parece uma mistura de polvo com os ETs de Independence Day. É feio e fascinante, um corpo formado por células nervosas e tecido muscular, com cada célula sendo, ao mesmo tempo, cérebro, olhos e músculo. Se um filme de terror só é tão bom quanto seu bicho-papão, então Vida acerta em cheio ao entregar uma ameaça original e, para o terror dos tripulantes da estação espacial, aparentemente indestrutível.

Calvin, o ET casca-grossa, em sua fase fofa

Claro que Vida não faz muita força para fugir das armadilhas narrativas presentes em todos os clones de Alien da história, e nem os efeitos especiais bacanas (o filme é executado com o máximo de realismo) e nem o ótimo elenco consegue elevar o material acima da previsibilidade. Por outro lado, é raro um filme assim passar pelo filtro dos grandes estúdios e chegar aos cinemas intacto, uma produção bem dirigida, com suspense na dose certa, sem economia de cenas para deixar o sujeito mais durão se contorcendo na poltrona e uma reviravolta bacana. Com a contagem (regressiva) de corpos, Vida traz estrutura mais para Sexta-Feira 13 do que para Gravidade. É a resposta podreira para a ficção científica classuda de A Chegada, em que o dinheiro e talento envolvido estão a serviço de um roteiro forrado com os clichês mais deliciosos e as teorias de fãs mais absurdas – o final deixou muito entusiasta do universo do Homem-Aranha se perguntando “mas o que aconteceria se?”. Sem falar que é fascinante ver Reynolds e Gyllenhaal, atores no topo da cadeia alimentar hollywoodiana, mergulhando num projeto que, em outros tempos, atrairia o tipo de talento que faz filmes enquanto serve mesas em algum restaurante de Los Angeles. É divertido, despretensioso e absolutamente irresistível. No espaço com certeza ninguém vai te ouvir gritar. Já no cinema, o susto é livre – e, acredite, bem provável.

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo