Blog do Sadovski

Seria o misterioso 143 o filme que uniria as séries X-Men e.... Alien?

Roberto Sadovski

14/02/2018 17h53

O diretor de Deadpool, Tim Miller, está se unindo com o roteirista Brian Michael Bendis para um projeto dentro do universo dos mutantes da Marvel. O filme, desenvolvido com o título 143, seria a aventura-solo da mutante Kitty Pryde, um boato que circulou pela internet há alguns meses. A coisa agora toma forma, segundo o Deadline, com a Fox contratando Bendis para escrever o roteiro – o que já é uma surpresa, já que o roteirista, após quase duas décadas na Marvel, pulou a cerca e vai tocar as aventuras do Superman para a DC a partir do meio do ano. Já Miller deve se dedicar ao filme depois de filmar o reboot de Terminator sob as bênçãos de James Cameron. A essa altura, você deve estar se perguntando: “Que diabos a série Alien tem a ver com tudo isso?” Bom, vem comigo…

Embora o estúdio não tenha divulgado mais detalhes sobre o projeto, seu título de trabalho é uma bela pista. 143 pode se referir à edição 143 de Uncanny X-Men, publicada em 1981. O gibi, escrito por Chris Claremont e desenhado por John Byrne (em sua despedida do mundo dos mutantes), trouxe a primeira aventura de Kitty Pryde sem a supervisão dos outros X-Men. Sozinha na mansão de Charles Xavier durante o Natal, ela é obrigada a enfrentar um N’Garai, um demônio de outra dimensão que invade a Terra. A história é obviamente inspirada em Alien, com uma heroína solitária usando suas habilidades para vencer um monstro alienígena em um ambiente fechado. Até o design do N’Garai lembra o xenomorfo do filme de Ridley Scott, desenhado por H.R. Giger. Vale lembrar que Kitty Pryde, embora seja uma personagem de primeira linha nos quadrinhos, e favorita de muitos fãs dos heróis, nunca teve tanto peso nos filmes. Ela surgiu em uma ponta em X-Men de 2000 (interpretada por Sumela Kay), teve um tempinho maior em X2 (na pele de Katie Stuart) e ganhou mais musculatura em X-Men: O Confronto Final e, depois, em X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido, defendida nas duas ocasiões por Ellen Page.

Ellen Page como Kitty Pryde em X-Men: O Confronto Final

A premissa é tênue para um filme de pouco menos de duas horas, mas seria a chance de a Fox anabolizar seu mundo de mutantes antes de a venda do estúdio para a Disney ser finalizada. Embora o negócio ainda precise ser aprovado pelo governo americano, e outras partes se mostrem interessadas (como a Comcast, que já é dona da Universal), a oportunidade de ampliar o escopo dos X-Men para além dos “filmes de super-heróis” parece muito boa para passar batida. Deadpool, com Tim Miller no comando, mostrou que era possível criar uma comédia que não tem o menor receio em tirar um sarro do conceito de aventureiros fantasiados superpoderosos – e se tornou um colosso de 780 milhões de dólares no processo. Logan ignorou os uniformes coloridos totalmente e entregou um drama melancólico inspirado, entre outros, pelo western Os Imperdoáveis. X-Men: Novos Mutantes, adiado para 2019 será um terror psicológico hardcore – promessa de seu diretor, Josh Boone, que deixou claro não se tratar de mais uma aventura de super-heróis. Por que não abraçar um filme de monstros neste universo?

Fatos são fatos. A Fox hoje ainda é dona dos X-Men no cinema, e também tem os direitos sobre Alien. O xenomorfo ainda é uma das criaturas mais reconhecíveis da história, e poderia muito bem ser introduzida no universo dos mutantes depois de X-Men: Fênix Negra, que estreia no fim do ano abraçando a saga mais conhecida da história dos personagens. Na história original, os mutantes deixam a Terra quando o poder cósmico da Fênix desperta em Jean Grey (Sophie Turner), podendo consumir toda a galáxia. Nas HQs os heróis terminam por deixar a Terra em uma aventura envolvendo raças de outros mundos e criaturas fantásticas, mas o diretor Simon Kinberg comentou que não queria um filme “tão intergaláctico”, preferindo manter a trama menos dependente de seu escopo e mais na interação dos personagens. “Mas queremos ser ousados e radicais ao expandir o mundo dos X-Men”, declarou pouco antes de começar as filmagens. Eu não consigo pensar em nada mais “ousado e radical” do que introduzir um xenomorfo na trama, trazendo novos fãs e deixando uma marca indelével antes de os mutantes se juntarem ao resto do Universo Cinematográfico Marvel.

Fala a verdade, é ou não é um xenomorfo de Alien?

Não que a Fox não tenha feito isso antes. Alien vs Predador colocou as criaturas do espaço frente a frente em um quebra-pau na Terra – que, dirigido por Paul W.S. Anderson, não deu muita liga. Ainda assim, crossovers entre grandes marcas da cultura pop não são novidade. A Universal cansou de colocar seus monstros dividindo o mesmo filme em sua Era de Ouro; Godzilla já saiu no braço com King Kong, um conflito que deve ter segundo round em breve. X-Men e Alien juntos é uma ideia tão absurda que poderia dar certo. Se Uncanny X-Men #143 for, de fato, a base sobre a qual Miller e Bendis vão construir a aventura-solo de Kitty Pryde no cinema, jogar um xenomorfo na mistura pode ser a cereja no topo do bolo. A gente pode sonhar!

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo