Blog do Sadovski

Rampage mostra que o cinema de ação bobão só funciona com Dwayne Johnson

Roberto Sadovski

13/04/2018 02h15

Rampage é uma bobagem gigante. Mais uma adaptação de um video game para o cinema, a aventura dirigida por Brad Peyton é um exercício de técnica, amarrando bons efeitos especiais (meio que uma obrigação em pleno 2018 e um orçamento de 120 milhões de dólares) a um fiapinho de trama que poucas vezes faz sentido. Em resumo, um lobo, um crocodilo e um gorila tem seu DNA reescrito após um acidente bizarro e caminham para Chicago, ameaçando pulverizar a cidade. O exército está impotente. Os vilões não poderiam ser mais unidimensionais. Os coadjuvantes bacanas (Jeffrey Dean Morgan, Naomie Harris) estão felizes em descontar um cheque gordo. Ainda assim, a coisa toda estranhamente funciona, e o motivo é um só: Dwayne Johnson.

Acho que eu já disse por aqui antes, mas vale repetir. O ex-The Rock é o astro de Hollywood que melhor materializa o estereótipo do “astro de Hollywood”. É um fortão boa praça, carismático até a medula e que sabe escolher seus projetos como ninguém. Ele é o único herdeiro de um tipo de ícone das matinês que, nos anos 80 e 90, respondia por Schwarzenegger ou Stallone. Não existe nenhum ator em atividade no cinemão hoje capaz de ancorar um filme como Rampage, sair incólume e ainda dar à coisa uma estampa de qualidade. Ele consegue isso ao misturar a honestidade brutal que o humaniza com o físico de super-herói dos quadrinhos, o que lhe confere uma qualidade sobre humana. Historicamente, o público de cinema gosta de acompanhar sujeitos, como Dwayne, maiores que a vida. Sendo o único neste jogo, hoje, é um bônus.

Leia também
US$ 3 bilhões em dois anos: Por que Dwayne Johnson é símbolo do sucesso

Dwayne ainda com cabelos (e ainda The Rock) em Bem-Vindo à Selva

Podemos argumentar, claro, que Vin Diesel compete na mesma arena. Mas é um erro. O poderoso chefão da série Velozes & Furiosos escorrega ao se levar muito a sério, ao vender cada um de seus projetos como arte erudita. Dwayne Johnson sabe como poucos rir de si mesmo, o que ele já fez dezenas de vezes em diversos papéis. Isso cria uma cumplicidade com seu público que nenhum departamento de marketing pode criar com uma canetada. O cinema de ação, por sua natureza, caminha numa linha tênue entre a intensidade e o pastelão, e seus melhores exemplares são justamente aqueles que sabem dosar tiros, explosões e humor às vezes absolutamente non sense. Uma viagem no tempo, até o auge desse tipo de filme, só comprova a teoria.

Afinal, Schwarzenegger e Stallone nunca deixaram de dosar suas aventuras com bom humor – e nunca se levaram tão à sério. Rampage, se fosse produzido duas décadas atrás, certamente teria o nome de um dos dois brutamontes enfeitando seu poster. É o tipo de fórmula que consagrou a dupla: os produtores pegavam um conceito absurdo (no futuro, policial congelado criogenicamente é revivido para caçar terrorista assassino; no futuro, trabalhador da construção civil descobre que suas memórias são um implante e que ele é um espião envolvido numa conspiração em Marte), atrelavam a ideia a um astro e jogavam toneladas de dinheiro para a coisa virar um evento em si. Dúzias de outros atores tentaram seguir essa mesma linha (de Bruce Willis a Jean-Claude Van Damme a… Michael Dudikoff?), com maior ou menor grau de sucesso. Mas apenas Schwarza e Sly tinham o carisma para dar suporte aos músculos que faziam deles sobre humanos.

Hobbs, o maior dos cascas-grossas em Velozes & Furiosos

Quando Dwayne Johnson fez Bem-Vindo à Selva, (não o Jumanji, mas um com Stifler) engatinhando na carreira de ator depois de anos como astro de luta livre, uma sequência emblemática colocou Schwarzenegger numa ponta lhe dando um tapinha no ombro e passando a tocha. Foi quase literal. Nos anos seguintes, ele interpretou por diversas vezes o herói solitário contra uma gangue que comete injustiças (praticamente o plot de todos os filmes com Steven Seagal) e aos poucos foi refinando suas escolhas – à medida que treinava pesado para construir aquele físico gigantesco. Versátil, fez um punhado de comédias de ação voltados para o público infantil (e a petizada adora o sujeito, isso antes de Moana!), até deixar o foco mais preciso ao entrar na série alheia: em Velozes & Furiosos 5, ambientado no Rio de Janeiro, Johnson quase rouba o show de Vin Diesel, tornando-se presença tão importante nos filmes quanto a do dono da bola. No meio do caminho ele fez um filme pra lá de esquisito com Michael Bay (Sem Dor, Sem Ganho), invadiu mais duas séries (G.I. Joe: Retaliação e Viagem 2: A Ilha Misteriosa) e teve sua dose de bombas (Hércules, Baywatch).

Rampage, por outro lado, é mais uma peça em seus planos de mostrar que o cinema de ação centrado num astro fortão continua firme e forte. Na adaptação do jogo de arcade (que, acredite, é mais divertido que o filme), ele é um primatologista que possui um elo especial com George, gorila albino resgatado por ele ainda bebê. Mas George é afetado por um gás num cilindro que chegou à Terra após a explosão de uma estação espacial (sério, só acompanha), com outros dois cilindros caindo em diferentes pontos dos Estados Unidos, modificando um lobo e um crocodilo geneticamente. A trama ainda ensaia um discurso sobre a responsabilidade de cientistas ao criar algo com potencial bélico, mas ninguém no filme parece dar muita trela a isso. O negócio é criar sequências mais e mais absurdas (como Dwayne escapando de um avião militar prestes a se arrebentar no solo) e mostrar o trio de criaturas cada vez maiores, até um clímax tão absurdo e explosivo que vai fazer Michael Bay chorar.

Você não vai lembrar de Rampage dois minutos após deixar o cinema, mas a experiência é como uma explosão de açúcar enquanto dura. Foi assim com Terremoto: A Falha de San Andreas. Foi assim com o delicioso Jumanji: Bem-Vindo à Selva (esse, sim, o Jumanji!). E com certeza será assim com Arranha-Céu: Coragem Sem Limite (Dwayne fazendo seu Duro de Matar), com Jungle Cruise (baseado na atração do Magic Kingdom), com a inevitável entrada do astro no mundo dos filmes de super-heróis (logo começam as filmagens de Adão Negro, um vilão da DC). E será assim ao cubo com Hobbs e Shaw, spin off de Velozes & Furiosos em que ele deve dividir os créditos com outro sujeito durão, Jason Statham. Que, por sinal, é o Bruce Willis para o Scwarzenegger de Johnson, com menos músculos mas igualmente afeto ao cinema de ação conceitual. Duvida? Então dá uma espiada no trailer de Megatubarão….

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Roberto Sadovski
Topo