PUBLICIDADE
Topo

Roberto Sadovski

Trailer de Homem-Formiga e a Vespa mostra por que a Marvel tem o jogo ganho

Roberto Sadovski

02/05/2018 03h18

É até covardia com a concorrência. Depois de pulverizar um punhado de recordes nas bilheterias com Vingadores: Guerra Infinita (inclusive maior estreia nos Estados Unidos e no mundo todo), a Marvel não desacelerou e liberou o trailer de Homem-Formiga e a Vespa. Esse trailer delícia que você vê agora – e depois volta aqui que o papo continua…

Bacana pra caramba, não? E não é ao acaso: é planejamento. Vingadores: Guerra Infinita é um filme emocionalmente intenso, com as salas tomadas pelo absoluto silêncio, entrecortado por lágrimas nada econômicas, ao final da projeção. É uma paulada, uma aventura que mostra o melhor que o cinemão de entretenimento pop oferece, com inteligência, com impacto, com qualidade. O filme que eles escolheram para continuar seu universo? Uma aventura cômica, muito mais leve, que não ignora os acontecimentos de Guerra Infinita mas entrega ao público um tipo diferente de válvula de escape.

A essa altura é bobagem falar dos filmes pesados como tijolos da concorrência, que não soube equilibrar nem planejar nem impactar. Colocar Homem-Formiga e a Vespa na sequência de Guerra Infinita é bater e assoprar, e aliviar na intensidade mas não no apelo, é preparar seu público para o que vem em seguida. Usando o chutômetro aqui, esse "em seguida", o agora mega aguardado Capitã Marvel, será uma aventura espacial ao estilo Homem de Ferro que aumentará os riscos e colocará na mesa cartas que nem poderíamos saber que estavam lá. Como é ambientado nos anos 90, o filme com Brie Larson pode jogar luz em diversos acontecimentos posteriores, além de desenvolver melhor a personalidade de Nick Fury (Samuel L. Jackson) e de Phil Coulson (Clark Gregg), ambos retornando "rejuvenescidos" para Capitã Marvel.

Será o elo perfeito para o quarto Vingadores (ainda sem título), já que Capitã Marvel pega a bola em jogo e dá o passe já na pequena área. Do lado de cá, nós, o público, abraçamos a estratégia e ajudamos com o hype, entrando de forma quase voluntária no jogo da Marvel. O nome disso é eficiência. A concorrência tá fazendo o que, já que só observa da arquibancada?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.