Topo
Blog do Sadovski

Blog do Sadovski

Bolão Oscar 2019: quem ganha, quem perde e quem pode surpreender!

Roberto Sadovski

2022-02-20T19:03:00

22/02/2019 03h00

HOLLYWOOD, CA - FEBRUARY 26: A view of oscar statuettes backstage during the 89th Annual Academy Awards at Hollywood & Highland Center on February 26, 2017 in Hollywood, California. (Photo by Christopher Polk/Getty Images)

O Oscar é a maior premiação do cinema mundial. Ponto. Muita gente pode torcer o nariz, jogar suas preferências em alguns dos muitos festivais que acontecem pelo mundo, dizer que é "festa da indústria". Tá valendo. Só não muda o fato que o Oscar tem mais prestígio e, principalmente, mais peso que todos os outros combinados. É uma festa da indústria, sim, mas é também uma celebração da arte e do talento de quem pensa, produz e executa pedaços de sonho projetados numa tela branca. E até isso é discutível, já que um dos favorito entre os indicados foi bancado por uma plataforma de streaming! Sinal dos tempos.

O Oscar, claro, está longe de ser infalível. Ao longo de mais de nove décadas de história já cometeu equívocos hediondos, omissões imperdoáveis e gafes imperdoáveis. Mas o tempo sempre se encarregou de consertar as bolas fora, e a festa permanece sendo o que é: um recorte do hoje, do agora, do momento em que o cinema atravessa e de mudanças que se avizinham. A edição 2019 dos prêmios da Academia é a mais confusa em anos, com indefinição sobre seu apresentador (não terá), decisões tacanhas em não incluir algumas premiações na transmissão (a grita foi tamanha que voltaram atrás) e uma seleção que, mesmo com pérolas, também inclui uma ou outra laranja.

MAIS SOBRE O OSCAR

O listão a seguir não tem nada de científico, muito menos é uma análise de todos os prêmios que o cinema entregou aos filmes de 2018. Nada de estatísticas ou probabilidades. Mas especular é um jogo divertido, especialmente porque o Oscar inflama paixões e mexe com emoções. E é esse o objetivo: entregar a visão de um observador que adora a sensação que o cinema provoca quando as luzes se apagam. Na segunda-feira após a festa eu volto com mais um textão sobre como foi a premiação – você pode me acompanhar no twitter pelo @rsadovski para discutirmos, ao vivo, os resultados. Deixo no ar a pergunta: quem leva o careca dourado?

Roma

FILME
O Oscar é de Roma. É isso. Entre os oito indicados, meu favorito é A Favorita, que é um filme mais ácido e acelerado. Mas o filme de Alfonso Cuarón é uma obra de arte incontestável, uma produção tecnicamente perfeita e de grande escopo para contar uma história tão intimista. A única coisa que se encontra entre Roma e o Oscar é a Netflix. Ainda existe entre boa parte dos membros da Academia a percepção que um filme produzido para uma plataforma de streaming é, basicamente, um filme para a TV – o que Steven Spielberg, por exemplo, acredita ser adequado a um Emmy, e não a um Oscar. Se essa barreira for intransponível, Green Book torna-se a opção "segura", um filme agradável, correto, alinhado com o espírito do tempo – mesmo que seu diretor não tenha sido indicado. Entre os outros indicados, Infiltrado na Klan traz um sangue nos olhos que faria bem à cerimônia, e Pantera Negra seria uma concessão ao blockbuster, ainda que totalmente merecedor de sua indicação. Nasce Uma Estrela perdeu fôlego (e, convenhamos, é uma história cansada), Vice talvez tenha uma veia satírica ousada demais para a Academia. E Bohemian Rhapsody, bem, é a desculpa para ter o Queen na festa. Porque não merece nem estar no mesmo parágrafo que os outros filmes.

A Favorita

DIRETOR
Se existe alguma dúvida entre os indicados a melhor filme, aqui o Oscar já tem lugar na estante de Alfonso Cuarón. Ele fez, de longe, o trabalho de direção mais espetacular de qualquer filme produzido ano passado. É o casamento perfeito de técnica e sensibilidade, casando uma produção complexa com uma narrativa aparentemente simples, mas repleta de camadas em seu retrato de um momento no México dos anos 70. Spike Lee é o único que representa alguma ameaça a Cuarón por seu trabalho em Infiltrado na Klan. Mas a estatueta vai para Cuarón, que venceu antes por Gravidade, confirmando a supremacia absoluta dos cineastas mexicanos no cinema moderno – que o digam seus compatriotas Alejandro Iñarritú (vencedor por Birdman e O Regresso) e Guillermo Del Toro (que levou por A Forma da Água).

ATRIZ
É a hora e a vez de Glenn Close, que eleva um drama rotineiro como A Esposa a um outro patamar. Mas não duvide da força de Olivia Colman, que despiu-se de ego e vaidade ao retratar a rainha Anne da Inglaterra em A Favorita. Aos fãs de Lady Gaga, fica a dica: como atriz, ela ainda é uma ótima Lady Gaga…

Green Book – O Guia

ATOR
Se eu fosse apostar, colocaria as fichas em Rami Malek, que reconstruiu Freddie Mercury em Bohemian Rhapsody. Não só por sua atuação, mas pelo trampo de praticamente carregar um novelão nas costas. Ainda assim, Christian Bale está cabeça a cabeça com seu trabalho em Vice, e poderia ganhar nem que fosse para entregar mais um discurso carregado de ironia fina. O meu favorito, Viggo Mortensen em Green Book, não está no páreo desta vez. E nem o espetacular Ethan Hawke, que sequer foi indicado por Fé Corrompida.

ATRIZ COADJUVANTE
Tudo indica que Regina King será a vencedora – e com mérito – por seu trabalho brilhante em Se a Rua Beale Falasse. Ok? Ok. Mas, e se não fosse? E se a Academia olhasse com carinho para o trio que tece a trama irresistível de A Favorita? Olivia Colman está indicada como melhor atriz, e suas companheiras dividem uma indicação aqui. Emma Stone é a perfeita cobra vingativa como Abigail Masham – mas ele em muitos momentos parece estar em um filme contemporâneo. O que não é o caso de Rachel Weisz, irretocável de ponta a ponta como a duquesa Sarah Churchill. Estivesse em minhas mãos, o Oscar seria dela.

Vice

ATOR COADJUVANTE
Mahershala Ali assumiu um papel complexo em Green Book, e entrega uma interpretação contida e sutil ante a exuberância de Viggo Mortensen. Em uma cena ele condensa toda a história do filme – e o conflito que assombra seu personagem, o músico Don Shirley: quando ele confessa, sob chuva torrencial, que não consegue descobrir seu lugar no mundo, já que é rejeitado pelos brancos e rechaçado pelos negros. É quando o filme ganha pulso necessário, e a cena que deve render o segundo Oscar ao ator – premiado anteriormente por Moonlight. Dito isso, o veterano Richard E. Grant entregou a atuação de sua vida no discreto Poderia me Perdoar? – e não seria nada mal que a estatueta fosse para suas mãos.

FILME ESTRANGEIRO
Aqui a coisa complica. O favorito indiscutível é Roma. Mas será que o filme de Cuarón poderia ganhar duas vezes, repetindo a dose na categoria principal? Outros filmes já foram indicados nas duas categorias, como A Vida É Bela, O Tigre e o Dragão e Amor. Mas nenhum deles era o favorito ao prêmio principal. Uma coisa é certa: se o Oscar aqui for para o excelente Guerra Fria, ou o emocionante Assunto de Família, a vitória de Roma está nada menos que garantida.

Guerra Fria

LONGA EM ANIMAÇÃO
Barbada do ano: se o vencedor for outro além de Homem-Aranha no Aranhaverso, será com certeza o primeiro sinal do apocalipse. Os outros indicados não seguram o chapéu de Miles Morales.

ROTEIRO ORIGINAL
Zero favoritos nessa categoria. Se a Academia decidir entregar o Oscar principal a Green Book, certamente o road movie leva a estatueta aqui também – e deixaria que seu diretor, Peter Farrelly, subisse ao palco para agradecer a quem viu Debi & Lóide ou Quem Vai Ficar com Mary?. A última vez que um filme não bisou nas duas categorias foi há quase oitenta anos! Mas quem sabe não é a hora de quebrar essa "tradição" e entregar o prêmio a A Favorita, que tem os diálogos mais saborosos do ano? Melhor ainda: quem deveria ganhar aqui é Fé Corrompida, que sequer está indicado como melhor filme e traz a primeira indicação ao Oscar de Paul Schrader – um absurdo para o homem que escreveu Taxi Driver, Touro Indomável e A Última Tentação de Cristo!

Fé Corrompida

ROTEIRO ADAPTADO
Já se vão quase trinta anos desde que Spike Lee foi indicado pelo roteiro de Faça a Coisa Certa – um dos filmes mais importantes do cinema americano, totalmente ignorado no ano em que Conduzindo Miss Daisy se tornou um dos filmes mais insípidos a levar o Oscar. É bom Lee deixar seu discurso pronto por Infiltrado na Klan, que surge aqui como favorito. Existe uma torcida por Nasce Uma Estrela, mas eu decidi ignorar. A surpresa da indicação de The Ballad of Buster Scruggs, uma produção da Netflix para os irmãos Joel e Ethan Coen, pode ser diminuída com uma vitória de Barry Jenkins por Se a Rua Beale Falasse – mas o filme chega ao Oscar sem fôlego.

FOTOGRAFIA
Em um dos maiores absurdos da história da Academia, a premiação dessa categoria seria entregue no intervalo, fora da transmissão! O barulho do meio artístico fez o produtor da festa voltar atrás, e assim não seremos privados de ver Alfonso Cuarón receber uma de suas estatuetas por Roma – que ele mesmo fotografou como um desafio proposto pelo gênio Emmanuel Lubezki. É o primeiro diretor indicado ao Oscar por também fotografar sua obra. O único porém? O trabalho lindíssimo de Lukasz Zal em Guerra Fria. O Oscar aqui é em preto e branco!

Infiltrado na Klan

MONTAGEM
A edição frenética de Vice coloca o filme de Adam McKay em leve vantagem. Mas não descarte o igualmente frenético (talvez um pouco além da conta) Bohemian Rhapsody.

DOCUMENTÁRIO
Meu documentário favorito do ano passado, Won´t You Be My Neighbor?, sequer foi indicado. Lágrimas. Fico então com a tensão absurda do vertiginoso Free Solo. Se política for um fator entre a Academia, então é a vez de RBG, sobre a lendária ministra da Suprema Corte Ruth Bader Ginsburg.

Bohemian Rhapsody

DOCUMENTÁRIO CURTA-METRAGEM
Aqui a coisa vai no instinto mesmo. A Netflix tem dois no páreo, Period. End of Sentence e End Game. Mas como o racismo é o tema que merece sempre um holofote, Black Sheep, um estudo sobre suas consequências psicológicas, tem a vantagem.

CURTA-METRAGEM
Vale a regra dos curtas em escolher com o estômago. Aqui o páreo é duro, com temas sempre pesados. Entre Marguerite e Skin, a aposta é com o primeiro (se você vencer o bolão, quero um percentual!).

Free Solo

CURTA-METRAGEM EM ANIMAÇÃO
Dá pra assistir a todos os curtas em animação em uma sentada rápida. A Pixar mais uma vez tem a vantagem com o belo Bao.

FIGURINO
A disputa aqui é entre dois filmes: A Favorita e Pantera Negra. Resta saber se a Academia quer soar progressista e premiar o trabalho meticuloso de Ruth E. Carter em criar as vestimentas de um país africano fictício, ou a pesquisa absurda de Sandy Powell para reproduzir a corte da rainha Anne. Com as fichas na mão, a sanha dos votantes por filmes de época – em especial um indicado a outras nove estatuetas – leva a vantagem.

Pantera Negra

TRILHA SONORA
Inexplicável e indefensável a ausência de Justin Hurwitz, que compôs a trilha sóbria e sensacional de O Primeiro Homem. Na ausência do melhor de fato de 2018, é possível que Ludwig Göransson tenha a vantagem por seu ótimo trabalho em Pantera Negra. Mas essa categoria pode ser a única oportunidade de a Academia jogar um osso para O Retorno de Mary Poppins. Que, ao contrário do original, não traz uma banda sonora memorável.

CANÇÃO
Essa será a única oportunidade para Lady Gaga ganhar um Oscar, co-autora da bonitinha "Shallow", de Nasce Uma Estrela – provavelmente a única estatueta que o filme de Bradley Cooper deve levar. Ainda assim, minha aposta, com dor no coração, ainda é de "All the Stars", de Pantera Negra. Não é dessa vez.

Nasce Uma Estrela

MIXAGEM DE SOM
Musicais tem uma leve vantagem nessa categoria, já que a música precisa fluir entre a cacofonia de todo o resto em cena. A aposta mais certa, portanto, é em Bohemian Rhapsody. Mas não descarte, de forma alguma o trabalho de mixagem de O Primeiro Homem.

EDIÇÃO DE SOM
A mesma lógica da categoria acima se aplica aqui: Bohemian Rhapsody tem a vantagem. Mas não descarte a força de O Primeiro Homem – e nem o trabalho sutil de Um Lugar Silencioso!

O Primeiro Homem

DESENHO DE PRODUÇÃO
Roma recria a Cidade do México dos anos 70 com uma riqueza de detalhes quase sufocante. Já O Retorno de Mary Poppins tem, bom, uns cenários bacanas. No fim das contas, a disputa aqui é, mais uma vez, entre A Favorita e Pantera Negra – mais uma vez com uma leve vantagem para o primeiro. Ainda assim, "Wakanda Forever" tem poder!

MAQUIAGEM
Mais uma barbada: o trabalho surreal de Vice. Mas vale conferir o interessantíssimo Border, ainda inédito por aqui.

EFEITOS VISUAIS
É uma categoria estranha, já que trabalhos menos explosivos como Ex_Machina e A Invenção de Hugo Cabret já levaram esse Oscar, então O Primeiro Homem pode surpreender. Ainda assim, Thanos vai estalar os dedos aqui e dar a estatueta a Vingadores: Guerra Infinita.

Vingadores: Guerra Infinita

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.