Topo
Blog do Sadovski

Blog do Sadovski

Mark Hamill se reinventa pela terceira vez como... o Brinquedo Assassino?

Roberto Sadovski

2002-04-20T19:05:56

02/04/2019 05h56

Mark Hamill é Chucky, o Brinquedo Assassino. Bom, ao menos ele é a voz de Chucky na refilmagem que estreia esse ano. É um papel inusitado para o ator – ao mesmo tempo em que faz todo sentido. Afinal, não foi na esteira de Star Wars que ele construiu sua carreira: em mais de três centenas (!) de papéis, Hamill tornou-se conhecido como um dos dubladores mais prolíficos da indústria. Basicamente, se você pensar em uma série animada bacana das últimas três décadas, a chance de ele ter emprestado a voz a um dos personagens é grande. Brinquedo Assassino, nova versão da série de terror que, desde 1988, já rendeu sete filmes, é um híbrido que coroa sua carreira – um filme live action em que só ouviremos sua voz.

O que é curioso, já que Star Wars é, bem, Star Wars! Em teoria, ser o protagonista de um dos maiores filmes de todos os tempos abriria todas as portas possíveis – é só perguntar a Harrison Ford. Para Hamill não foi bem assim. Depois de Uma Nova Esperança em 1977, ele voltou aos cinemas no ano seguinte com a comédia de ação Um Carro, Um Rapaz, Uma Garota (eu ADORO esse título para Corvette Summer!), que não deu em nada. Entre O Império Contra-Ataca (1980) e O Retorno de Jedi (1983) o ator emplacou um filme espetacular, o drama de guerra Agonia & Glória, de Samuel Fuller… e só. A verdade é que o cinema lhe deu as costas sem muita cerimônia e, com a exceção de A Cidade dos Amaldiçoados, refilmagem do clássico de terror conduzida por John Carpenter em 1995, Hamill basicamente brincou com sua persona pop basicamente em dois filmes: O Império (do Besteirol) Contra-Ataca (2001) e o recente Kingsman: Serviço Secreto (2014).

Mark Hamill em Os Últimos Jedi: reinvenção genial de um ícone

Se na tela grande a coisa não emplacou, Mark Hamill fez da telinha seu verdadeiro império. Ele encabeçou tudo que um ator pode colocar em seu currículo, de adaptações de videogames a filmes de terror e ficção científica classe Z, passando por trabalho vocal em jogos, narração em documentários e séries animadas em dúzias e dúzias de outros personagens. A sombra de Star Wars, porém, persistia. Mas tudo mudou em 1992, quando ele topou emprestar seu talento para a já icônica Batman: The Animated Series, criando a assinatura vocal do maior inimigo do Homem-Morcego: o Coringa. O trabalho de Hamill como o Palhaço do Crime ajudou a elevar a série de um desenho animado de super-heróis para a série que ajudou a redefinir o status artístico da animação dos anos 90 em diante. Não é exagero dizer que sua interpretação do Coringa está no mesmíssimo patamar que as versões de Jack Nicholson ou Heath Ledger.

Brinquedo Assassino surge como uma surpresa. Desde sua concepção, o personagem ganhou na interpretação de Brad Dourif o equilíbrio entre baderneiro perverso e assassino em série, e sua voz ajudou a solidificar o serial killer em forma de boneco infantil como um dos mais duradouros ícones de terror do cinema. Mas é natural que uma nova versão queira se despir de qualquer ligação com sua história pregressa, e encontrar um ator que possa se tornar a nova voz de Chucky passou a ser parte das atribuições dos produtores do remake. Entra em cena Mark Hamill, reenergizado pela nova geração de Star Wars, em especial no espetacular Os Últimos Jedi, em que ele seguiu à risca a direção de Rian Johnson para voltar ao icônico Luke Skywalker com novas nuances e conflitos, reescrevendo de maneira brilhante o personagem que o acompanhou por toda sua carreira. É de se esperar que seu Chucky seja mais Coringa do que Jedi – ou talvez Hamill surja com algo absolutamente inesperado. Para seu terceiro tempo, não é nada mau!

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.