PUBLICIDADE
Topo

Utilidade pública: Sofri por duas horas de Cats para você não precisar...

Roberto Sadovski

26/12/2019 04h41

Cats é um dos piores filmes da história do cinema. É um desperdício de tempo, de dinheiro, de talento e de recursos. Minhas retinas não testemunhavam um desastre tão colossal há anos (décadas?), e serão mais outros anos (décadas?) até que eu consiga apagar da memória qualquer lembrança dessa aberração. Sim, é pior do que as expectativas mais rasteiras.

VEJA TAMBÉM: Dez gifs de gatinhos que são melhores que Cats, o filme

É a primeira vez, por sinal, que eu acredito que um filme não tinha mesmo motivo para existir. Não há nada no cinema moderno que justifique um trabalho chegar ao mercado de maneira tão desleixada, tão desconecta, tão amadora. A existência de Cats é um mistério, e não há como apontar o dedo para ninguém além de seu diretor: Tom Hooper.

Sim, precisamos falar sobre Tom Hooper. Poucas vezes na história um cineasta de visão tão obtusa, artisticamente limitado e narrativamente inerte conseguiu ludibriar tanta gente. Ele é o Lars von Trier do cinema mainstream, incapaz de criar um filme empolgante ou coeso ou emocionante há uma década. Se Hooper mostrava-se promissor com sua carreira na TV inglesa (John Adams é um primor), e acertou na cinebiografia Maldito Futebol Clube, o que veio a seguir foi uma avalanche de conformismo –  filmes que, quando mostravam algum pulso, era por conta de seu elenco, nunca pela fibra de seu diretor.

Não há perdão para a chuva de Oscar para O Discurso do Rei, um dramalhão que beira a mediocridade, triunfando ante pesos pesados como A Rede Social e A Origem. Depois, sua filmografia só piorou, com a cafonice de Les Misérables e a soberba de A Garota Dinamarquesa, que empresta sua dramaturgia piegas das piores novelas mexicanas. Ainda assim, Hooper tem prestígio e conseguiu inclusive emplacar a adaptação de His Dark Materials na HBO – eu não tive coragem de assistir até hoje unicamente por sua assinatura.

Taylor Swift quer um Oscar, mas ela não é Lady Gaga….

Cats, por outro lado, é um nível completamente diferente de absurdo. A ideia de levar o musical de Andrew Lloyd Webber ao cinema sempre foi encarada como piada pela indústria. O espetáculo, diga-se, é um sucesso absoluto desde sua primeira performance, em 1981, com duas décadas ininterruptas em cartaz no West End londrino e na Broadway. Mas sua concepção lúdica foi pensada para o ambiente do teatro, com cenários extravagantes e produção requintada, o que faz de sua tradução para outras mídias um exercício mais comercial do que artístico.

Até porque, apesar de suas inovações e influências para a popularização do teatro musical como evento pop, Cats sempre foi programa para turista, planejado e executado como parte do roteiro de Londres ou Nova York, tão natural a essas cidades como o Big Ben ou o Empire State. Ver Cats está no pacote da CVC, a experiência teatral como pastelaria – mesmo que o recheio seja nobre.

No cinema, porém, essa aura festiva evapora-se. Fica o trabalho de confinar o encanto e a emoção do teatro em tela plana. Já adianto: aqui, não funcionou. O mais espantoso é que a é regra mostra transições do palco para o cinema quase sempre bem sucedidas. De Amor Sublime Amor a Hairspray, de A Noviça Rebelde a Grease, de O Violinista no Telhado a Chicago – todos com uma história sólida, narrada por, ou entrecortada pela, música.

O público nunca torceu o nariz para esse casamento, até com filmes rasos feito pires como Mamma Mia! transformado-se em fenômenos globais de bilheteria. Clint Eastwood já se aventurou no gênero (Jersey Boys), assim como Tim Burton (Sweeney Todd). Steven Spielberg está atualmente rodando a refilmagem de Amor Sublime Amor. Musicais dos palcos londrinos ou nova-iorquinos fazem parte do DNA do cinema desde sempre. Ainda assim, ninguém deu a mínima para Cats.

Aposto que seu gato não faz isso!

Sua estreia nos cinemas americanos foi um desastre de 6,6 milhões de dólares em três dias – para uma comparação injusta, Cats entrou em cartaz no mesmo dia de Star Wars: A Ascensão Skywalker, que mordeu 177 milhões de dólares. Dificilmente Tom Hooper verá retorno no investimento de 95 milhões bancados pelo estúdio. Para piorar, o filme chegou ao absurdo de ser enviado para os exibidores com efeitos especiais incompletos – uma cópia finalizada foi remetida em menos de uma semana, mas o esquadrão de memes com atores com maquiagem digital incompleta já havia tomado a internet.

James Corden, por exemplo, surge em uma cena sem a magia que transforma seu rosto em um gato humanoide. As mãos de Judi Dench, então, ora aparecem com anéis, ora sem, ora peludas, ora humanas. É um desastre, e nem ele foi capaz de despertar curiosidade – na sessão em que eu vi em São Paulo, em plena tarde de Natal, meia dúzia de incrédulos deixou a sala antes da metade do filme.

Ah, o filme. Nada pode preparar sua alma para o completo e absoluto terror que é observar um grupo de atores, transformado digitalmente em criaturas híbridas humanos/felinos, cantando estridentemente por duas horas. Nem vou me ater à total cafonice da produção, porque teatro musical meio que é isso mesmo. Mas dá para sentir nossa alegria de viver esvaindo-se enquanto os minutos avançam e somos brindados com um roteiro absolutamente sem sentido, executado em números musicais pavorosos.

É no primeiro ato que Rebel Wilson, no papel de Jennyanydots (todos tem nomes assim), comanda uma trupe de baratas em uma coreografia absolutamente bizarra, ao mesmo tempo em que devora algumas delas (as baratas também são atores em maquiagem digital). Quem ainda segura o almoço no estômago pode seguir em frente para encarar uma bobagem sobre um gato que será escolhido para ascender a uma nova vida no Paraíso – seja lá o que isso signifique.

Idris Elba é Macavity, o gato malvado que busca eliminar a concorrência; Ian McKellen é Gus, o gato do teatro (imagine Tygra, dos Thundercats, depois de uma temporada em Shawshank); Judi Dench é Deuteronomy, a mais velha e sábia entre os felinos. Taylor Swift meio que aparece. A protagonista é a bailarina Francesca Hayward, que faz aqui sua estreia no cinema como Victoria, gata abandonada que encanta-se com a efervescência da vida nas ruas. Jennifer Hudson canta "Memory" no clímax. Todos choram. Fim.

Thundercats are on the move, Thundercats are loose… !

Honestamente, não tinha como funcionar. Talvez como uma animação, em que os gatos fossem de fato gatos, assumindo uma fantasia antropomorfizada? Talvez pela Pixar, estilo Vida de Inseto ou Ratatouille? A realidade, entretanto, é outra. Cada opção artística de Tom Hooper foi equivocada. O artificialismo dos cenários, hermético como teatro, sem nunca assumir a escala do cinema. As coreografias, por vezes arruinada por uma câmera que insiste em correr em meio aos dançarinos. A direção de atores confusa, em especial Francesca, que desesperadamente precisa de alguém para lhe apontar o caminho em uma produção dessa escala.

Por fim, o visual dos felinos, uma aberração em CGI que entrega um híbrido repulsivo aos olhos, eliminando qualquer chance de conexão emocional. Atores fantasiados ao menos sugerem certa humanidade, mas o desfile de corpos assexuados está a uma mudança de trilha sonora de distância de transformar Cats de musical glorioso em filme de terror barra pesada. Aí sim seria um filme que eu adoraria ver!

Sobre o autor

Roberto Sadovski é jornalista e crítico de cinema. Por mais de uma década, comandou a revista sobre cinema "SET". Colaborou com a revista inglesa "Empire", além das nacionais "Playboy", "GQ", "Monet", "VIP", "BillBoard", "Lola" e "Contigo". Também dirigiu a redação da revista "Sexy" e escreveu o eBook "Cem Filmes Para Ver e Rever... Sempre".

Sobre o blog

Cinema, entretenimento, cultura pop e bom humor dão o tom deste blog, que traz lançamentos, entrevistas e notícias sob um ponto de vista muito particular.

Blog do Sadovski